Segundo turno no Amapá

PSol assume coordenação da campanha ao governo do PTB, que disputa com o candidato do PSB

Menezes y Morais iG Brasília |

As alianças políticas às eleições do segundo turno no Amapá registram o primeiro movimento. O Partido da Solidariedade (PSol), liderado pelo senador eleito Randolfe Rodrigues, assumiu a coordenação da campanha de Lucas Barreto (PTB), que ficou com 28,93 dos votos dia 3, conforme o Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Barreto disputa o governo com o segundo colocado, Camilo Capiberibe (PSB), que conquistou 28,68 dos votos válidos, de acordo com o TRE. Lucas e Capiberibe disputaram as eleições com Jorge Amanajas (PSDB), Pedro Paulo (PP) e Genival Cruz (PSTU).

Randolfe é o senador eleito mais jovem do Brasil e o mais bem votado da história do Amapá, com 203.259 votos, conforme o TRE. Aos 37 anos, é historiador, bacharel em direito e mestre em políticas públicas. Foi líder estudantil secundarista, líder universitário e deputado Estadual.

Corrupção

Realizada sob o signo de denúncias de corrupção, as eleições do dia 3 levaram o Amapá ao noticiário nacional. A corrupção foi denunciada pelo Ministério Público e investigada pela Polícia Federal (PF), com a “Operação Mãos Limpas,” autorizada pelo Superior Tribunal de Justiça (STJ), em Brasília.

A operação foi deflagrada em 10 de setembro pela PF, que prendeu o governador Pedro Paulo Dias (PP) – disputou a reeleição –, o ex-governador Waldez Góes (PDT) –candidato ao Senado – e mais 16 pessoas. O presidente da Assembleia, Jorge Amanajás (PSDB), que concorreu ao governo, foi ouvido pela PF dentro da investigação.

Pedro Paulo ficou preso por 10 dias em Brasília, na carceragem da Superintendência da PF. Foi solto, reassumiu o governo, fez campanha e não conseguiu votos suficientes para disputar o segundo turno. Transmitirá o cargo ao governador que for eleito no dia 31.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG