Satisfeita com declaração de Lula ao iG, Dilma confia em apoio

A candidata acredita em 'prontidão' do presidente para evitar 'sacanagens' com ela e aliados no ano que vem

Andréia Sadi, enviada a Minas Gerais |

Adotando um tom de eleita, a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff , mostrou-se satisfeita com a declaração do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em entrevista exclusiva ao iG , de que não permitirá " sacanagens com a Dilma " caso ela seja eleita.

Questionada sobre a entrevista, a candidata não economizou elogios: "Sabe, quando você trabalhou com uma pessoa, eu trabalhei com o presidente cinco anos e meio. Perto dele todos os dias, das 8 até as 11 da noite, e te digo o seguinte: eu tenho uma imensa confiança no presidente Lula, ele é meu amigo, companheiro, é uma das pessoas que eu tenho certeza que mais conhece o Brasil. Eu espero, assim como eu o ajudei como ministra, obviamente que o status do presidente é outro. Ele é um grande conselheiro estratégico para qualquer estadista neste país e nesse mundo de Deus."

A expectativa da petista é de que Lula também desempenhará esse papel com outros aliados. "Eu espero que o presidente fique de prontidão e me ajude. Acho que qualquer presidente que tenha um ex-presidente com a boa vontade do presidente Lula de ajudar está muito bem. Tenho certeza de que ele não vai ajudar só a mim, acho que ele vai dar a sua contribuição para o mundo", apostou.

Dilma não quis comentar a censura ética imposta pela Comissão de Ética da Presidência da República à ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra. Limitou-se a dizer que desconhece tal decisão.

Aécio Neves

Dilma Rousseff disse não acreditar que o ex-governador de Minas Gerais, candidato ao Senado pelo Estado, Aécio Neves, deixará o PSDB depois das eleições para ingressar em um novo partido de sustentação ou de uma oposição moderada a um eventual governo dela. "Não tenho nenhuma restrição a ter quem quer que seja na minha base aliada. Mas, acredito que não é esse o interesse do governador Aécio, me parece que ele se coloca como oposição. Uma oposição mais civilizada, mas, oposição", afimou.

    Leia tudo sobre: Eleições Dilmapleito 2010Erenice GuerraLula

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG