Regional da CNBB divulga nota para esclarecer posição na eleição

Após polêmica sobre panfletos, braço da instituição diz que não indica nem veta candidatos

iG São Paulo |

A Regional Sul da Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB) divulgou nota na noite de ontem, para esclarecer sua posição diante da polêmica provocada pela distribuição de panfletos contrários à campanha da candidata petista à Presidência, Dilma Rousseff . Os folhetos, atribuídos à CNBB, foram distribuídos sem autorização da instituição e condenavam o voto no PT em função da posição do partido em relação ao aborto. 

Na nota, os bispos afirmam que "não indicam nem vetam candidatos ou partidos e respeitam a decisão livre e autônoma de cada eleitor". "O Regional Sul 1 da CNBB desaprova a instrumentalização de suas declarações e notas e enfatiza que não patrocina a impressão e a difusão de folhetos a favor ou contra candidatos", reforça o documento.

No documento, a entidade ainda recomenda a "análise serena e objetiva das propostas de partidos e candidatos, para que as eleições consolidem o processo democrático, o pleno respeito aos direitos humanos, a justiça social, a solidariedade e a paz entre todos os brasileiros".

Financiadores

A Associação Theotokos, fundação que é braço financiador da regional Regional Sul 1 da CNBB também divulgou nota neste domingo esclarecendo o problema dos panfletos. Um dos funcionários da entidade, Kelmon Luís Souza, foi o intermediário que solicitou a impressão dos panfletos anti-PT à Pana Editora Gráfica. A associação também é apontada pela gráfica como financiadora do material.

Na nota, a associação diz que a divulgação do material foi solicitação da Regional 1. Mas o braço da CNBB afirmou na nota anterior que jamais fez pedido algum a nenhuma entidade.

A Theotokos também diz na nota que repudia a apreensão dos folhetos pela Polícia Federal, apesar de assumir a autoria da encomenda. Os responsáveis pela associação se dizem no direito de distribuir o documento nas igrejas e festas religiosas. “O documento é uma denúncia assinada, clara e pública. São manifestações claras e objetivas do pensamento e dos fatos que estão sendo escondidos do povo brasileiro; Contém informações oficiais que até o momento não foram respondidas pelo Presidente da República e pela sua candidata. Não se trata, portanto, de boato”, diz a nota.
A Associação Theotokos deve ser chamada pela polícia para explicar a origem do dinheiro que financiou a impressão dos panfletos.

    Leia tudo sobre: eleiçõescnbbpanfletos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG