Receita e PF dizem que apuração do caso EJ segue em "celeridade"

Segundo nota divulgada em conjunto, tema é "prioridade institucional" para as entidades e investigações seguem em sigilo

Danilo Fariello, iG Brasília |

A Receita Federal e a Polícia Federal divulgaram agora há pouco nota conjunta sobre as investigações a respeito da quebra de sigilo do vice-presidente do PSDB, Eduardo Jorge Caldas Pereira. Segundo as instituições, as investigações seguem “com celeridade”

De acordo com a nota, a notícia que configurou o vazamento de informações fiscais, tornando públicos dados protegidos por sigilo, ocorreu em 19 de junho, um sábado. E, na segunda-feira seguinte, dia 21, foi determinada a apuração nos sistemas para identificar o usuário responsável pelo acesso ao documento. No mesmo dia, a Receita instaurou, por intermédio de sua Corregedoria-Geral, sindicância para investigar o caso.

No dia 23 de junho, foi recebido o resultado da apuração. Após a análise do documento, foi instaurado, no dia primeiro de julho, processo administrativo disciplinar para apurar a ocorrência de irregularidade funcional e responsabilizar possíveis autores. A partir de 30 de julho, as informações de Receita e PF, passaram a ser compartilhadas também com o Ministério Público Federal.

Segundo a nota, o processo administrativo da Receita deve ser concluído em 60 dias, prorrogáveis por mais 60 dias. “A Corregedoria-Geral da Receita Federal trabalha para concluir o processo o mais rapidamente possível, observando o rito da lei.” Já o inquérito policial da PF teve prazo inicial de 30 dias prorrogado pela Justiça Federal.

A nota se encerra informando que as apurações transcorrem em sigilo, em razão das disposições legais, bem como para preservar as provas que estão sendo coletadas. De acordo com as instituições, o assunto está sendo tratado como prioridade institucional.

    Leia tudo sobre: psdbeduardo jorgereceita federaldilmaserrapf

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG