Rachado, PDT gaúcho se une contra impugnação de vice de Fogaça

Pompeo de Mattos foi um dos 28 políticos impugnados pela Procuradoria Eleitoral do RS a partir do projeto Ficha Limpa

Alexandre Haubrich, iG Porto Alegre |

Depois que o ex-governador Alceu Collares, do PDT, declarou voto em Tarso Genro (PT), recebeu apoio de muitas lideranças pedetistas ao mesmo tempo em que causou irritação na executiva estadual do partido. Agora, porém, todos voltam ao mesmo lado – ainda que brevemente.

Pompeo de Mattos, candidato pedetista a vice-governador na chapa de José Fogaça (PMDB), está na lista das candidaturas impugnadas por “abuso econômico”, referente a um albergue que Pompeo mantinha. O deputado federal e candidato a vice afirma estar sendo vítima de perseguição: “esta ação está arquivada há mais de um ano. Acharam que podem desarquivar. É uma coisa fora do propósito, só para criar um fato negativo na campanha”.

Collares defende o colega de partido, e lamenta a imagem arranhada: “o prejuízo político já foi causado, por um excesso de zelo da Procuradoria Regional Eleitoral. O exagero causou um grande prejuízo à imagem dos partidos”, reclama. Pompeo concorda: “Esse é o objetivo. Não é inviabilizar a candidatura, é prejudicar, é constranger. Não devo, não temo, não tremo”.

Equívocos
Em lados opostos nas eleições 2010, os dois pedetistas defendem a Ficha Limpa, mas consideram que há equívocos. Collares, no texto; Pompeo, na aplicação. O ex-governador gaúcho vê exageros e erros de técnica legislativa na redação da lei, mas ressalta sua importância: “A lei não é perfeita, mas é boa, nasceu com origem popular, sinal de que a sociedade está começando a tomar consciência dos seus direitos políticos”.

Pompeo de Mattos lembra que foi um dos que ajudou a construir a lei, e acredita que o projeto está sendo desvirtuado. Já Collares reclama de “fogo amigo”, e afirma que muitos correligionários desejam a tragédia dos outros. Garante que não está entre eles: “Embora eu esteja defendendo a candidatura do Tarso, sou acima de tudo pedetista”, garantiu.

O ex-governador acredita que, apesar do dano político, a candidatura de Pompeo continua viável, mas ressalta que é a equipe de Fogaça que precisa avaliar os prejuízos negativos da ação. Pompeo garante que não cogita a possibilidade de desistir: “Vou responder, mostrar que é uma aberração jurídica o que estão fazendo, esse constrangimento que estão criando. Vamos passar por cima disso. A luz não vê as trevas quando passa por elas”.

    Leia tudo sobre: Pompeo de MattosAlceu CollaresJosé Fogaçapdtpmdbrs

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG