Argentina conta com o maior número de seções eleitorais na América Latina, com dez urnas eletrônicas na embaixada brasileira

selo

Dos mais de 200 mil eleitores brasileiros que vivem no exterior, 3.877 estão registrados em Buenos Aires e estão aptos a votar no próximo domingo para eleger o novo presidente da República, segundo informou a embaixadora Gladys Ann Garry Facó, cônsul geral do Brasil na Argentina.

Trata-se do posto na América Latina com o maior número de seções eleitorais. São dez urnas eletrônicas que vão funcionar na sede da embaixada brasileira na capital argentina. Nos consulados de Córdoba e de Mendoza também haverá uma urna em cada um. Sem um número final sobre a quantidade de eleitores habilitados nestas duas províncias, Garry Facó esclarece que cada urna tem a capacidade de receber o máximo de 400 votos.

Nas últimas eleições presidenciais, em 2006, o consulado brasileiro contava com menos inscritos: 2.400 eleitores, dos quais somente 900 compareceram às urnas. As dez seções eleitorais de Buenos Aires vão ser compostas por quatro pessoas: primeiro e segundo mesário, secretário e presidente.

A cônsul convocou 40 pessoas da comunidade brasileira residente na cidade para compor as seções eleitorais, que serão abertas das 8 horas até as 17 horas (horário de Brasília). "O eleitor inscrito residente na Argentina que não votar poderá justificar o voto a partir do dia seguinte", avisou Garry Facó, ressaltando que "eleitor em trânsito não pode votar e tem prazo de 60 dias para justificar".

O consulado alerta os brasileiros que é preciso levar um documento argentino ou brasileiro com foto junto com o título de eleitor. Caso contrário, o eleitor não poderá votar. A cônsul também alerta que os eleitores devem retirar um novo título que o Tribunal Superior Eleitoral já enviou aos consulados brasileiros. O cidadão tem que se apresentar com o título usado nas últimas eleições no consulado e realizar a troca pelo novo documento, já que os números das seções foram reacomodados. "Não é conveniente deixar para a última hora para evitar longas filas no dia da votação", recomenda.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.