PT liga presidente da Dersa ao esquema PC

Bancada do partido na Assembleia de São Paulo vai pedir investigação sobre denúncias envolvendo a empresa

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

Em representação que será enviada amanhã ao Ministério Público Estadual, a bancada do PT na Assembleia Legislativa de São Paulo pede a investigação de suposto tráfico de influência praticado Paulo Vieira de Souza, conhecido como Paulo Preto, ex-diretor de Engenharia da Dersa e ex-arrecadador financeiro de campanhas do PSDB.

Além disso, o PT liga a Dersa ao “esquema PC”, comandado por Paulo Cesar Farias, ex-tesoureiro de campanha do ex-presidente Fernando Collor de Mello, que levou ao impeachment de Collor. 

Segundo a bancada do PT, a advogada Priscila Arana de Souza, filha de Paulo Preto, foi contratada em 2006, quando o pai era diretor de Relações Institucionais da Dersa, pelo escritório Edgard Leite Advogados Associados, que defende construtoras que prestam serviços à Dersa em obras de grande vulto junto ao Tribunal de Contas do Estado e ao Tribunal de Contas da União.

“Ela trabalha para empresas por onde circula dinheiro da Dersa. Era o pai dela que liberava os pagamentos”, disse o líder do PT na Alesp, Antonio Mentor. A representação lembra que Priscila emprestou R$ 250 mil em 2007 ao senador eleito pelo PSDB de São Paulo, Aloysio Nunes Ferreira, então secretário estadual da Casa Civil. Em entrevistas, Aloysio disse que pagou o empréstimo sem juros.

“É o que chamamos de negócio de pai para filho”, disse Mentor. O advogado José Luiz de Oliveira Lima, que representa Paulo Preto, disse que o escritório onde Priscila trabalha nunca prestou serviços para a Dersa.

A bancada do PT anexou uma cópia do “Diário Oficial da União” na qual Priscila aparece como uma das advogadas em um processo em que o TCU pede informações sobre o Rodoanel, obra de R$ 5 bilhões sob responsabilidade da Dersa. Além disso, a representação transcreve um trecho do relatório final da CPI do PC, em que o atual presidente da Dersa, José Marx Reis Alves, é vinculado ao esquema que derrubou Collor.

Segundo o documento, Alves teria recebido US$ 53 mil em 1990 da Brasil Jet Taxi Aéreo, uma das empresas de Paulo César Farias, e de José Carlos Bonfim, um dos fantasmas do esquema. Na época, Alves era chefe-de-gabinete da então ministra da Fazenda Zélia Cardoso de Melo. A Dersa foi procurada por meio de sua assessoria de imprensa e ficou de divulgar uma nota sobre as acusações.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG