Candidato teve registro rejeitado porque entregou declaração digitalizada, Justiça Eleitoral exige documento de próprio punho

O Tribunal Regional Eleitoral (TRE) de Santa Catarina deve receber nesta quarta-feira o recurso contra o cancelamento das candidaturas ao governo do Estado de Valmir Martins (PSOL) e seu vice, Marcos Alves Soares. Martins teve seu registro rejeitado na última segunda-feira, dia 2, por ter entregado declaração de escolaridade digitalizada, quando a Justiça Eleitoral exige que o documento seja redigido de próprio punho.

“Estamos com a documentação solicitada e confiamos em uma decisão favorável porque este é um erro sanável”, disse o candidato. “Esta declaração nada mais é do que uma prova de que não sou analfabeto e, portanto, estou apto a concorrer ao governo. Como sou servidor público federal concursado, é óbvio que tenho a escolaridade regular.”

Professor aposentado da Universidade Federal de Santa Catarina (Ufsc), Martins é Mestre em História e já participou de três eleições: para o Senado em 1982, para o Congresso em 1987 e para a Câmara municipal em 1989. Não foi eleito em nenhuma delas.

A situação de Soares é mais complicada. Conforme a lei, ele precisaria de se afastar do cargo público que ocupa em Joinville até o último dia 4, mas só o fez no dia 8, segundo Martins, por “ter confundido os prazos, apesar da orientação do partido”. O PSOL já está procurando um novo nome para o cargo de vice. Os possíveis substitutos ainda não foram divulgados.

Caso o TRE não aceite a defesa de Martins, o partido vai levar a questão ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE). Enquanto o recurso estiver sendo julgado, o candidato ao governo afirmou que sua campanha continuará normalmente, embora tenha cancelado sua ida ao debate com os candidatos na sede catarinense da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), programado para a próxima quinta-feira (5/8).

“Minha ausência [no debate na OAB] não tem nenhuma relação com a decisão do TRE”, explicou. “Foi uma resolução tomada em conjunto com o PSTU e o PCB em protesto contra a discriminação da entidade, que colocou a direita para debater pela manhã e a esquerda, à tarde”, completou.

Nas regras estipuladas pela OAB, os candidatos Angela Amin (PP), Ideli Salvati (PT), Raimundo Colombo (DEM) e Rogério Novaes (PV) discutirão das 9h30 às 11h30. Uma segunda etapa está prevista entre 14h30 e 16h30, com a presença de Amadeu Hercilio da Luz (PCB), Gilmar Salgado (PSTU), José Carmelito Smieguel (PMN) e Martins.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.