Partido apresentará requerimento na CCJ do Senado para que petista dê explicações sobre suposto esquema de pagamento de propina

O PSDB vai apresentar requerimento na Comissão de Constituição e Justiça (CCJ) do Senado, na segunda-feira, para que a candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff, dê explicações sobre as denúncias de tráfico de influência na Casa Civil.

Em entrevista coletiva este sábado, o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) disse que as supostas irregularidades ocorreram quando Dilma estava à frente do ministério, e Erenice Guerra, demitida em consequência das denúncias, era sua principal assessora.

“Não se trata de fazer pirotecnia com os acontecimentos. Os fatos ocorreram quando a ministra da Casa Civil era Dilma Rousseff. Cabe a ela dar explicações à sociedade”, disse o vice-líder do partido no Senado.

Reportagem da revista “Veja” deste sábado afirma que teria havido distribuição de dinheiro dentro do ministério enquanto Dilma chefiava a pasta. Segundo a revista, o ex-assessor da Casa Civil Vinícius Castro, sócio do filho de Erenice, Israel Guerra, teria recebido R$ 200 mil dentro do gabinete onde despachava.

Com as novas denúncias, Dias afirmou que vai propor aos advogados do partido que preparem um adendo à representação protocolada esta semana no Ministério Público contra a ex-ministra Erenice Guerra. “Há um rosário de irregularidades com origem na Casa Civil”, afirma o senador.

Dias não confirmou se o tema será explorado no programa eleitoral desta noite do candidato do PSDB à Presidência, José Serra. Porém, assinalou que Serra “nos orientou apenas que este caso deveria assumido de forma publica pelo partido”.

O tucano descartou, no entanto, a criação de uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para investigar o caso. “Uma CPI é importante para convocar o Ministério Público à ação. Nesse caso já há uma manifestação por parte do MP”, assinalou

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.