PSDB e DEM voltam a se reunir em São Paulo

Caso não haja um acordo sobre vice, DEM fará outra reunião para que integrantes do partido digam o que acham da situação

Agência Estado |

Agência Câmara
Rodrigo Maia: com ou sem acordo, sem festa
Dirigentes dos partidos PSDB e DEM vão ter uma nova rodada de negociações hoje, em São Paulo, para tentar um acordo em torno da indicação do candidato a vice-presidente na chapa encabeçada pelo tucano José Serra. As cúpulas dos dois partidos passou a noite de ontem reunida, com a presença do próprio Serra durante parte da conversa, mas não houve consenso.

O PSDB quer indicar o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) para a vaga de vice. O DEM insiste em apontar um quadro de sua legenda para a posição. Se isso não acontecer, o DEM ameaça não se coligar com os tucanos. "Por enquanto, nada mudou. Teremos uma nova conversa daqui a pouco, mas o DEM entende que é direito do partido fazer a indicação do candidato a vice", afirmou o presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), por telefone, à Agência Estado.

O impasse se torna mais dramático porque existe uma corrida contra o tempo. A convenção nacional do DEM está marcada para amanhã. Sem acordo, poderá até ser cancelada, o que vai acarretar no cancelamento da aliança formal com o PSDB.

"Se houver acordo, faremos um encontro na sede do partido em Brasília. Sem acordo, deveremos fazer a reunião num hotel e abriremos o debate para que todos os integrantes do DEM digam o que acham da situação. E pelo menos 70% dos integrantes já deixaram claro que estão muito insatisfeitos com o fato de o PSDB não ter aceito que o Democratas indique o candidato a vice. Agora, mesmo que haja acordo, uma coisa é certa: por toda essa situação, festa não vai haver", disse Maia.

Na reunião de ontem à noite, realizada na casa do prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), houve alguns movimentos importantes para que o quadro possa evoluir em torno de uma pacificação. Maia achou importante, por exemplo, o gesto do presidente do PSDB, senador Sérgio Guerra (PE), em reconhecer que houve um erro na condução da indicação de Alvaro Dias sem consulta prévia ao DEM logo na abertura do encontro. Também citou como marcante a fala do ex-presidente do partido Jorge Bornhausen, defendendo a posição do DEM em reivindicar a vaga de vice.

    Leia tudo sobre: DEMPSDBcrisevice-presidente

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG