PSDB e DEM pedem investigação sobre corrupção na Eletrobras

Os líderes da oposição também fizeram uma representação referente ao suposto de lobby na Casa Civil

iG Brasília |

O PSDB e o DEM solicitaram, nesta segunda-feira, ao Ministério Público Federal uma investigação sobre corrupção e tráfico de influência na Eletrobras. Os alvos da ação são a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff , e o presidente do Conselho de Administração da Companhia de Geração Térmica de Energia Elétrica (CGTEE), Valter Cardeal.

A representação tem como base reportagem veiculada pela revista Época no fim de semana. De acordo com a publicação, Cardeal é apontado como um dos responsáveis por uma fraude envolvendo a construção de sete usinas e biomassa no Rio Grande do Sul e no Paraná.

Aliado de Dilma desde os anos 90, Cardeal foi indicado ao cargo por ela ainda no começo do governo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva quando a candidata do PT era ministra de Minas e Energia (2003-2005) _depois ela tornou-se chefe da Casa Civil.

“O KfW afirma ter evidências de que Cardeal teria conhecimento, desde o início, da emissão de garantias ilegais e fraudulentas, para que duas empresas privadas brasileiras obtivessem um empréstimo internacional no valor de e 157 milhões destinados à construção de sete usinas”, diz o texto da Época.

A representação é assinada pelo senador Alvaro Dias (PSDB-PR) e pelos deputados Paulo Bornhausen (DEM-SC), João Almeida (PSDB-BA) e Gustavo Fruet (PSDB-PR).

“(...) a dinâmica das narrativas deixam claro que toda as condutas criminosas possuem, em sua gênese, estrito vínculo com a candidata à presidência, Dilma Rousseff, então ministra de Minas e Energia e posteriormente Ministra da Casa Civil”, conclui a representação.

Aditivo

Além da representação sobre o caso Eletrobras, os líderes da oposição fizeram uma representação como aditiva referente ao suposto esquema de lobby na Casa Civil. Desta vez, tiveram como base “fatos novos”.

“As investigações da imprensa continuaram, o que motivou um aditivo à representação Principal, com informações complementares à denuncia de tráfico de influência que poderia estar ocorrendo na Casa Civil da Presidência da República, sob o comando da principal assessora e substituta da Ministra Dilma Rousseff, a ex-ministra Erenice Guerra”, diz a ação.

A primeira representação tinha sido motivada por uma reportagem da revista Veja . Agora, o aditivo inclui reportagens de outros veículos. Além de Almeida e Bornhausen, assinam a representação o senador Alvaro Dias (PSDB-PR) e o deputado Gustavo Fruet (PSDB-PR).

“As condutas descritas pelas notícias ora encaminhadas a Vossa Excelência, apontam para para um grande esquema de corrupção que precisa ser investigado e para um alto grau de lesividade tanto à moralidade quanto ao erário público, exigindo desse órgão investigatório todas as medidas cabíveis para eluciar os fatos e punir os envolvido”, conclui a representação.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG