PSB sai das urnas com os 2 governadores mais bem votados do País

O terceiro governador eleito da sigla foi Cid Gomes, no Ceará; partido cresce onde o PT não lançou candidatos próprios

Cíntia Acayaba e Matheus Pichonelli, iG São Paulo |

O PSB conquistou neste domingo as duas maiores vitórias percentuais nos Estados do País: Pernambuco e Espírito Santo. Eduardo Campos (PSB) foi reeleito governador de Pernambuco com o maior percentual de votos válidos entre as unidades da federação: 82,8%.

O segundo governador mais bem votado também pertence ao Partido Socialista Brasileiro. Renato Casagrande sagrou-se vitorioso no Espírito Santo com 82,3% dos votos válidos. Somente os dois atingiram a marca de 80% de votos para o cargo de governador no País. O terceiro eleito pelo PSB, também com ampla margem de votos, é Cid Gomes, que conquistou o governo cearense com 61,3% dos votos válidos.

O partido ainda pode ganhar mais três Estados, Piauí, Amapá e Paraíba, que foram ao segundo turno, e garantir, pela primeira vez na sua história, o comando de seis unidades da federação. Segundo levantamento feito pelo iG , o partido teve crescimento em número de governadores eleitos desde 1998, quando a lei da reeleição passou a valer. Em 1998, o partido tinha dois Estados, em 2002, três, em 2006, dois, e neste ano, pode levar seis Estados.

Para o cientista político Celso Roma, especialista em partidos, o PSB se consolida em Estados onde o PT, partido aliado, não lançou candidatos. Segundo ele, o PSB “pega carona” na popularidade do presidente Lula, principalmente no Nordeste, e se fortalece. O cientista político também vê a consolidação da sigla socialista em espaços deixados pelo DEM, antiga força do Nordeste.

O secretário nacional do PSB, Carlos Siqueira, disse que apesar da aliança com o PT e o apoio de Lula, os novos governadores “não pegaram carona com ninguém” e elegeram-se por mérito próprio. “Em 2006, havia candidato do PT em Pernambuco e Eduardo Campos conquistou o Estado”, afirmou.

Para Siqueira, a ampla vitória de Campos e Cid Gomes são “reflexo de administrações bem sucedidas” e, no caso de Casagrande, resultado de “uma boa atuação no Senado”. Ele concorda que o partido se mostra forte no Nordeste, mas diz acreditar em um crescimento da sigla no Sudeste, com a eleição de deputados em São Paulo, por exemplo.

Ao ser questionado sobre a polarização de PT e PSDB no cenário nacional, Siqueira vê que o resultado do PSB nestas eleições mostra que o partido é uma “alternativa de esquerda para o poder”. Apesar disso, disse que ainda é cedo para pensar em candidatura própria à Presidência em 2014.

    Leia tudo sobre: psbeleições peeleições ceeleições es

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG