Presidente da UGT nega apoio a Serra

Em evento pró-Dilma, Ricardo Patah afirma ser lulista e nega presença em ato por causa da liderança da petista nas pesquisas

Ricardo Galhardo |

Única das cinco centrais sindicais que não estava alinhada à candidatura de Dilma Rousseff, a UGT (União Geral dos Trabalhadores) marcou presença no ato de mulheres sindicalistas em favor da candidata petista na manhã desta terça-feira em São Paulo. “A UGT é plural. Tem gente que milita em vários partidos. Desde o PV até o PPS. Como presidente, tenho que valorizar a base e muitas mulheres da base apoiam a Dilma”, disse o presidente da UGP, Ricardo Patah.

Patah chegou a levar o candidato do PSDB, José Serra, em eventos da central , mas negou que a UGT apoia o tucano. “Eu sou lulista. Na campanha de Lula eu trabalhei”, disse Patah.

O presidente da UGT negou que a presença no ato em apoio à Dilma esteja relacionada a pesquisas de intenção de votos que apontam a possibilidade de a petista ser eleita ainda no primeiro turno. “Se disséssemos isso só por causa das pesquisas seria o mesmo que dizer que a UGT é fisiológica”.

Dilma está sendo esperada na Casa de Portugal, no bairro da Liberdade, em São Paulo, para o encontro de mulheres sindicalista promovido pelas cinco centrais sindicais: CTB (Central dos Trabalhadores e Trabalhadoras do Brasil), CGTB (Central Geral dos Trabalhadores do Brasil), CUT (Central Única dos Trabalhadores), Força Sindical, NCST (Nova Central Sindical de Trabalhadores) e UGT (União Geral dos Trabalhadores).

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG