Porto Digital se aproxima dos candidatos ao Senado de Pernambuco

Raul Jungmann inaugura série de encontros com empresários do polo tecnológico que reúne mais de 100 empresas e emprega 4 mil

Isabel Amaral, IG Pernambuco |

O diretor-presidente do Porto Digital, Francisco Saboya, aproveita o período de campanha eleitoral e apresenta a importância do parque tecnológico de Pernambuco na economia do Estado e do Brasil para os quatro candidatos mais bem colocados na corrida ao Senado. O primeiro a participar do encontro com os empresários de Tecnologia da Informação de Comunicação (TIC), nesta quinta-feira, foi o deputado federal e candidato ao Senado, Raul Jungmann (PPS).

Com 135 empresas de TIC, mais de 4000 colaboradores com a média salarial 3,5 vezes maior do Recife, faturamento de cerca de R$ 700 milhões e representando 3,5% do PIB de Pernambuco, o Porto Digital ganha destaque nacional. Por esses números, termina sendo um alvo muito cobiçado dos políticos.

A ideia das conversas é chamar a atenção dos políticos para que aja um maior investimento no setor de TIC do Estado, já que o polo tecnológico é uma política pública. Os próximos encontros serão com: Marco Maciel (DEM), no dia 18 do próximo mês, seguido por Armando Monteiro (PTB), no dia 19, e Humberto Costa (PT), no dia 26. A busca principal é por apoio aos novos projetos do empreendimento sem criar um partidarismo. “Nunca houve uma politização do Porto Digital. Não se politiza coisa de Estado”, declara Saboya.

Apesar do pensamento do diretor-presidente do polo ser contrário ao partidarismo, ainda há muitos políticos que querem tomar o projeto do Porto Digital como mérito de seu governo, único e exclusivamente. Mas Saboya lembra que embora o parque tecnológico tenha sido criado na gestão do ex-governador e atual candidato a governador pela coligação “Pernambuco Pode Mais”, Jarbas Vasconcelos, o polo caminha por si e tem o apoio de diversos políticos, independentemente de partidos.

Entre as propostas do candidato Raul Jungmann está o apoio ao Porto Digital na articulação para conseguir emendas parlamentares, resolver os problemas de deteriorização do espaço urbano do Bairro do Recife, onde se localiza o polo, capacitação de capital humano e a resolução do problema para a captação de capital de risco. “Isso não é meu, não é de fulano, não é de ninguém. Isso aqui é uma encruzilhada de Pernambuco, se isso não dê certo, não vamos criar uma nova economia”, afirma Jungmann, que observa o Porto Digital como a semente do futuro da economia, não só do Estado, quanto do Brasil.

Neste ano, Saboya conseguiu o apoio necessário a política pública do Porto Digital, com uma grande conquista: a assinatura de uma emenda parlamentar, apoiada por 12 deputados de partidos diversos, de R$ 32 milhões, através de convênio com o Ministério de Ciência e Tecnologia e o Governo do Estado de Pernambuco. Esse valor é superior a todo o capital arrecadado na história do parque tecnológico.

    Leia tudo sobre: eleiçõespernambucoporto digital

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG