Parque tecnológico de Pernambuco, considerado um dos maiores do País, abre seu espaço para conhecer as propostas dos candidatos

O diretor-presidente do Porto Digital, Francisco Saboya, aproveita o período de campanha eleitoral e apresenta a importância do parque tecnológico de Pernambuco na economia do Estado e do Brasil para os quatro candidatos mais cotados ao Senado. O primeiro a participar do encontro com os empresários de Tecnologia da Informação de Comunicação (TIC), nesta quinta-feira (29), foi o deputado federal e candidato ao Senado, Raul Jungmann (PPS).

Com 135 empresas, mais de 4000 colaboradores, faturamento de cerca de R$ 700 milhões e representando 3,5% do PIB de Pernambuco; o Porto Digital ganha destaque nacional. Por esses números, é um alvo muito cobiçado dos políticos.

A ideia dos encontros é chamar a atenção para a necessidade de aumentar o investimento no setor de TIC do Estado. Os próximos encontros serão com Marco Maciel (DEM), em 18 de agosto, seguido por Armando Monteiro (PTB), no dia 19, e Humberto Costa (PT), no dia 26. O objetivo principal é conseguir apoio para os novos projetos sem criar partidarismo. “Nunca houve uma politização do Porto Digital. Não se politiza coisa de Estado”, declara Saboya.

Apesar do pensamento do diretor-presidente do pólo tecnológico ser contrário ao partidarismo, ainda há muitos políticos que querem tomar o projeto do Porto Digital como mérito de seu governo. Saboya lembra que, embora o parque tecnológico tenha sido criado na gestão do ex-governador e atual candidato ao governo pela coligação ‘Pernambuco Pode Mais’, Jarbas Vasconcelos, o pólo caminha por si e tem o apoio de diversos políticos, independentemente de partidos.

Entre as propostas do candidato Raul Jungmann está o apoio ao Porto Digital na articulação para conseguir emendas parlamentares, resolver os problemas de deteriorização do espaço urbano do Bairro do Recife, onde se localiza o pólo, capacitação de capital humano e a captação de capital de risco. “Isso não é meu, não é de fulano, não é de ninguém. Isso aqui é uma encruzilhada de Pernambuco, se isso não der certo, não vamos criar uma nova economia”, afirma Jungmann, que observa o Porto Digital como a semente do futuro da economia, não só do Estado, mas do Brasil.

Neste ano, Saboya conseguiu o apoio necessário à política pública do Porto Digital, com uma grande conquista: a assinatura de uma emenda parlamentar, apoiada por 12 deputados de partidos diversos, de R$ 32 milhões, através de convênio com o Ministério de Ciência e Tecnologia e o Governo do Estado de Pernambuco. Esse valor é superior a todo o capital arrecadado na história do parque tecnológico.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.