Portador de deficiência será recadastrado no Amazonas

TRE inicia campanha em novembro para promover inclusão social com acesso às zonas eleitorais

Menezes y Morais, iG Brasília |

O Tribunal Regional Eleitoral do Amazonas (TRE-AM) informou que a partir da reabertura do cadastro eleitoral, em novembro, começa a campanha de sensibilização dos eleitores portadores de deficiência ou com mobilidade reduzida. Para isto, está mobilizando os juizes eleitorais de Manaus e do interior do Estado.

Para o TRE, “existe a necessidade de adotar uma política de acessibilidade que promova a inclusão social, a equiparação de oportunidades e o exercício da cidadania das pessoas com deficiência ou com mobilidade reduzida.” O objetivo “é melhorar, a cada eleição, o atendimento aos eleitores portadores de necessidades especiais.”

Por este motivo, “os Juízes Eleitorais deverão promover, a partir da reabertura do cadastro eleitoral, a ocorrer no mês de novembro, campanha de sensibilização dos eleitores portadores de deficiência ou com mobilidade reduzida no sentido de convocá-los a se (re) cadastrarem.”

O cadastro ou recadastramento é para que a Justiça Eleitoral “possa adotar medidas que facilitem o acesso às seções eleitorais. No momento do (re) cadastramento, o eleitor deverá informar especificamente a sua condição de portador de necessidades especiais.”

De acordo com o TRE, “os dados colhidos servirão para auxiliar a Justiça Eleitoral no diagnóstico da real situação das seções eleitorais do Estado com relação a esta parcela do eleitorado e, futuramente, na adoção de medidas voltadas à eliminação das dificuldades de acesso atualmente existentes.”

E-mail falsos

Por outro lado, o TRE-AM alerta os 2.030.542 eleitores amazonenses para que adotem “medidas de cautelas” quanto às mensagens eletrônicas falsas. “O TRE/TSE não enviam mensagens eletrônicas a eleitores, nem autoriza nenhum outro órgão ou parceiro a fazê-lo,” diz o tribunal.

“Recomenda-se – acrescenta o TRE– a quem as receber que apague-as imediatamente, pois são falsas e podem conter vírus de computador. O TRE não informou a existência de casos concretos de eleitores que tenham recebidos mensagens falsas pela rede mundial de computadores (internet).

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG