Plínio defende aumento de impostos e protecionismo

O candidato propôs a criação de um sistema que desonere os produtos da cesta básica e o aumento de impostos para grandes fortunas

Rodrigo Rodrigues, iG São Paulo |

No primeiro grande evento com empresários desde o debate da Rede Bandeirantes, o candidato do PSOL à Presidência da República, Plínio de Arruda Sampaio, defendeu o aumento de impostos para os ricos, a taxação de produtos estrangeiros que entram no Brasil e a redução da jornada de trabalho.

Durante sabatina da Confederação das Associações Comerciais e Empresariais do Brasil (CACB), realizada no Memorial da América Latina (São Paulo), o candidato socialista propôs a criação de um sistema que desonere os produtos da cesta básica, mas que aumente os impostos para os donos das grandes fortunas. “Proporcionalmente, um homem rico e um homem pobre que compram uma caixa de fósforo pagam o mesmo imposto absoluto. Para o rico não é nada . Para o pobre é um problema. Por isso, algumas tarifas como o ICMS, que hoje é cobrada na origem, podem ser até aumentadas”, disse o candidato.

Sobre a taxação de produtos estrangeiros, Plínio defendeu um sistema protecionista forte para o País, protegendo o mercado brasileiro dos produtos oriundos de parceiros comerciais como China e EUA. “No meu governo não entra aqui produto de fora que tenha similar brasileiro. Não entra aqui produto de luxo. Você pode dizer que esse cara é comunista, mas Getúlio Vargas não era comunista e não deixava entrar carro com cilindrada maior do que certo ponto”, disse Plínio.

O candidato do PSOL também voltou a defender uma reforma agrária radical, desapropriando todas as propriedades com mais de 1000 hectares. Ele finalizou sua fala criticando a aplicação do Bolsa Família. “Deveria ser só uma medida emergencial, até a pessoa receber o primeiro salário ou a terra que ganhou começar a produzir. Do jeito que está, estamos transformando a pessoa pobre em uma clientela”, comentou. “Vou quadruplicar o Bolsa Família, mas reduzir o tempo do benefício”, prometeu.

Primeiro presidenciável a presidente a ser sabatinado no evento da CACB, o ex-deputado Plínio de Arruda Sampaio (PSOL) também arrancou aplausos da plateia de empresários ao defender o sistema único de Previdência Social para o País. O candidato propós um sistema único de contribuição e disse que o atual modelo duplo está errado. O próprio Plínio lembrou que é procurador da República aposentado e recebe um dos maiores benefícios pagos pelo sistema.

Ao final, o candidata do PSOL criticou a ausência de Dilma Rousseff (PT) na sabatina e ironizou a atuação da presidenciável nas disputadas de ideias: "Ela acha que está eleita ou então tem dificuldade de enfrentar esse debate direto. Vocês viram como ela estava nervosa no debate da TV Bandeirantes?", provocou Plínio.

    Leia tudo sobre: EleiçõesPlínio

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG