Planalto entra em campo para definir vice em SP

Ministro de Relações Institucionais deve se reunir com prefeito de Campinas para negociar acordo

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

O Palácio do Planalto entrou no jogo para a escolha do candidato a vice-governador de São Paulo na chapa do senador Aloizio Mercadante (PT). O ministro das Relações Institucionais, Alexandre Padilha, deve se encontrar com o prefeito de Campinas, Helio da Costa Santos (PDT), na noite desta sexta-feira, para negociar a formação da chapa em São Paulo.

O prefeito vai pedir a Padilha que o Planalto pressione o ministro do Trabalho, Carlos Lupi, presidente nacional do PDT, a mudar a indicação do partido para o vice de Mercadante. Na quarta-feira o deputado Paulo Pereira da Silva (SP), o Paulinho, presidente estadual do PDT, divulgou uma nota dura impondo o nome do deputado estadual Major Olímpio (PDT) aos demais partidos da aliança. A indicação teve o aval de Lupi. O prefeito de Campinas, adversário de Paulinho na disputa interna pelo comando do PDT paulista, quer emplacar seu secretário municipal de Assuntos Jurídicos, Carlos Henrique Pinto.

Como não tem cacife interno para impor seu nome, o prefeito quer empurrar o problema para o colo do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, com quem mantém ótima relação. Dr. Helio, como é conhecido o prefeito, ameaçou se desfiliar do PDT e retirar o apoio a Mercadante e Dilma Rousseff caso o PT aceite a indicação feita por Paulinho. Ouviu do PT que a prefeitura recebeu R$ 2 bilhões do governo Lula, que ajudaram na sua reeleição em 2008, e que o PT se esforçou para montar a aliança que o levou à vitória. Dr. Helio ouviu ainda que o secretário é um nome completamente desconhecido até nos meios políticos e que nunca disputou nem sequer uma eleição para vereador.

Padilha vai a Campinas na condição de bombeiro da crise. Além de ser uma liderança política importante em uma das regiões mais populosas do Estado, dr. Helio é uma espécie de coordenador informal da campanha de Dilma e Mercadante. Ele tem articulado a adesão de prefeitos, inclusive dos partidos de oposição, às candidaturas petistas. Na semana passada, levou pelo menos cinco deles ao encontro com a pré-candidata petista em Brasília, que precedeu a Marcha Nacional de Prefeitos.

O PT de São Paulo não vai bater o martelo sobre o vice de Mercadante enquanto os ânimos não esfriarem no PDT. A expectativa é que a situação se resolva na semana que vem já que a convenção estadual do PDT está marcada para o dia 12 de junho.

    Leia tudo sobre: Dilma RousseffPDTPT

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG