Pimentel tenta conquistar o voto do eleitor de Aécio

Petista, que foi aliado do ex-governador em campanha pela prefeitura de BH, pede que eleitor tucano também vote nele para o Senado

Eduardo Ferrari, iG Minas Gerais |

Com uma das vagas ao Senado em Minas Gerais praticamente definida – o ex-governador Aécio Neves (PSDB) tem cerca de 70% em todas as pesquisas de intenção de votos realizadas desde julho -, o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel (PT) tenta ser a segunda opção de voto do eleitor.

A tarefa não é fácil: enquanto na coligação tucana a vitória é dada como certa para Aécio e o governador e candidato à reeleição Antônio Anastasia não para de crescer nas pesquisas, a chapa adversária, com os ex-ministros Hélio Costa e Patrus Ananias, da qual faz parte Pimentel, vê a sua popularidade cair.

Segundo a pesquisa mais recente, divulgada pelo Ibope/Estado/Globo em 28 de agosto, o petista está em terceiro lugar, com 21% das intenções de votos contra 44% do ex-presidente Itamar Franco (PPS), que está na mesma chapa de Aécio e Anastasia. Assim, há cerca de um mês da eleição, Pimentel também corre o risco de ficar pelo caminho e precisa tirar uma diferença superior à sua própria intenção de votos se quiser uma vaga para o Senado em 2011.

Para isso, a estratégia de Pimentel até agora tem sido a de pedir ao eleitor que dê a ele um dos votos para o Senado, já que são duas vagas em disputa. Para o cientista político Malco Camargos, professor da Pontifícia Universidade Católica de Minas Gerais (PUC-MG), essa tática é a única chance que Pimentel tem. “A adoção do Pimentécio, mesmo sem a participação do tucano, poderá garantir os votos que poderiam não vir caso o petista resolvesse fazer uma campanha integrada com sua coligação", diz Camargos.

Pimentel se aliou a Aécio em 2008 para a eleição de Marcio Lacerda (PSB) para a prefeitura de Belo Horizonte. Sua tática, hoje, é não fazer críticas ao ex-governador e evita falar do aliado de chapa, Zito Vieira (PCdoB). Até no programa do Horário Eleitoral Gratuito, Pimentel colocou seus principais aliados políticos para assumirem a mesma estratégia - a candidata à presidência Dilma Roussef (PT) aparece pedindo um dos dois votos do eleitorado para o companheiro de legenda. Pimentel também busca em seus programas de rádio e TV se apresentar ao eleitor com um político moderno, jovem e eficiente, perfil considerado semelhante ao de Aécio Neves.

Aliado diz que Pimentel adota estratégia eleitoral errada

O outro candidato ao Senado na mesma chapa de Fernando Pimentel, Zito Vieira (PCdoB), diz que a opção do petista “é um erro de estratégia eleitoral". Para ele, a ausência de apoio à sua candidatura por parte de Pimentel estaria beneficiando diretamente Itamar Franco: "O segundo voto está indo para o Itamar. Na medida em que o Pimentel me ignora e a Dilma pede voto só para ele, o outro voto está indo para o PPS".

Zito também diz que o estímulo de Pimentel à política do Pimentécio para o Senado não traz ganhos efetivos para o candidato já que “a recíproca não ocorrerá por parte do adversário tucano”. "Se ele (Pimentel) quiser o Pimentécio, paciência. O eleitor fazer é natural, mas estimular é outra coisa. E quem falou que o Aécio não vai apoiar o Itamar? O candidato do Aécio é Itamar". 

    Leia tudo sobre: Eleições MG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG