PF pede prorrogação do prazo de investigação do caso Erenice

Prazo de 30 dias expirou e inquérito não foi concluído. Filho da ex-ministra da Casa Civil foi denunciado por tráfico

Agência Brasil |

A Polícia Federal (PF) pediu hoje (13) ao Tribunal Regional Federal da 1ª Região a prorrogação do prazo para apurar o suposto esquema de tráfico de influência na Casa Civil, envolvendo familiares da ex-ministra Erenice Guerra.

Segundo a PF, a investigação foi prorrogada porque o prazo de 30 dias expirou e ainda não foi possível concluir o inquérito. O prazo para o fim da investigação será determinado pela Justiça. A PF também informou que ainda não há um juiz escalado para acompanhar do caso.

No mês passado, o filho da ex-ministra, Israel Guerra, foi denunciado por usar a influência da mãe para cobrar propina em negociações entre empresas privadas e o governo. Ele teria intermediado uma tentativa de negócio da empresa EDRB, de Campinas (SP), e o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES), cobrando uma “taxa de êxito” caso o negócio se concretizasse.

No último dia 5, Israel e Saulo Guerra, filhos de Erenice, ficaram em silêncio durante depoimento na Superintendência da PF, em Brasília.

A abertura do inquérito foi determinada pelo ministro da Justiça, Luiz Paulo Barreto, em setembro. A própria ex-ministra encaminhou à Controladoria-Geral da União (CGU) e ao Ministério da Justiça ofícios solicitando a abertura de processos de investigação para apurar as denúncias.

    Leia tudo sobre: pleito 2010caso erenice

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG