PF intima empresário que acusou filho de Erenice Guerra

Fábio Baracat e o ex-diretor de Operações dos Correios, Eduardo Arthur Rodrigues Silva, foram intimados a depor nesta quinta-feira

Agência Estado |

selo

A Polícia Federal intimou para depor amanhã o empresário Fábio Baracat, que acusou Israel Guerra, filho da ex-ministra da Casa Civil, Erenice Guerra, de cobrar "taxa de sucesso" e pagamentos mensais de R$ 25 mil, para ajudar a empresa de transporte aéreo MTA a ampliar seus negócios nos Correios. A denúncia foi publicada na revista Veja e seu autor, Diego Escostegui, foi ouvido ontem por duas horas.

Também está intimado a prestar esclarecimentos o ex-diretor de Operações dos Correios, Eduardo Arthur Rodrigues Silva, suspeito de ser testa de ferro de empresas do argentino Alfonso Rey, que vive em Miami, conforme reportagem publicada no jornal O Estado de S.Paulo no último domingo. Rey seria sócio oculto da MTA, já que a lei brasileira proíbe que estrangeiros detenham mais de 20% do capital de empresas do setor. O horário dos depoimentos ainda não está marcado.

Israel, que segundo os informantes agia usando o nome da mãe, teria também ajudado a MTA a renovar licença de voo na Agência Nacional de Aviação Civil (Anac). Com sua ajuda, a empresa teria obtido nos Correios contratos no montante de R$ 59 milhões, um deles, de R$ 19,6 milhões, sem licitação. A PF solicitou cópias dos contratos e aditivos firmados pela estatal com as empresas MTA e Via Net, outra suspeita de ter sido beneficiada pelo lobby.

A PF requereu também da Anac cópia dos processos de concessão de licenças de voo da MTA e, na Junta Comercial de Brasília, pediu a cópia do contrato social da Capital Assessoria, empresa registrada em nome de Saulo Guerra, irmão de Israel, acusada de envolvimento nas intermediações ilegais.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG