Petista denunciará Alckmin e Quércia ao Ministério Público

vereador diz que, em visita a Cotia, tucanos teriam feito campanha com servidores públicos durante expediente

Nara Alves e Piero Locatelli, iG São Paulo |

O vereador Toninho Kalunga (PT), de Cotia, na região Metropolitana de São Paulo, deve entrar amanhã com uma representação no Ministério Público Eleitoral contra o candidato ao governo de São Paulo pelo PSDB, Geraldo Alckmin, e o candidato ao Senado da mesma coligação, Orestes Quércia (PMDB).

Divulgação
O prefeito Carlão Camargo e Geraldo Alckmin fazem campanha em Cotia
De acordo com Kalunga, no último dia 4 de agosto os candidatos fizeram campanha eleitoral em Cotia acompanhados de diversos servidores públicos do município, inclusive secretários, o prefeito da cidade, Carlão Camargo, e o vice-prefeito Moisezinho. Segundo Kalunga, o ato ocorreu durante o expediente, o que é proibido por lei. Na ocasião, Alckmin fez uma caminhada no centro da cidade e visitou uma Escola Técnica Estadual (Etec).

"Em tese, eles (Alckmin e Quércia) não sabem quem é funcionário público, mas eles recebem os benefícios na campanha. Logo, eles têm que arcar com a responsabilidade desse benefício", diz.

Na ação, Kalunga vai anexar fotos que mostram os candidatos e os servidores em caminhada pelo centro da cidade. Segundo o vereador, o fotógrafo que cobriu o evento também é funcionário público e usou equipamento da Prefeitura para registrar o encontro.

Em resposta a Kalunga, a assessoria de Alckmin enviou uma nota na qual afirma que "a campanha de Geraldo Alckmin nega as acusações do vereador do PT e afirma que cumpre rigorosamente a legislação". Já a prefeitura de Cotia disse, por meio de sua assessoria, que "os funcionários que acompanharam a visita estavam em horário de almoço, fora do expediente regular. Não houve, portanto, nenhuma irregularidade".

    Leia tudo sobre: eleições spalckmincotia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG