Paulo Preto pede direito de resposta em propaganda de Dilma

Horário eleitoral da petista afirma que Preto foi acusado por líderes do PSDB de desviar R$ 4 mi da campanha de Serra

Agência Estado |

selo

O engenheiro Paulo Vieira de Souza, ex-diretor da Desenvolvimento Rodoviário S.A. (Dersa) e conhecido pelo apelido de Paulo Preto, entrou com representação no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) pedindo direito de resposta na propaganda eleitoral da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff . No programa exibido anteontem nos períodos da tarde e da noite, o locutor afirma que Souza "foi acusado por próprios líderes do PSDB de desviar quatro milhões de reais doados para um suposto caixa dois da campanha de Serra".

Na representação, Souza informa que ajuizou queixa-crime contra os jornalistas responsáveis pela reportagem e contra os dirigentes do PSDB entrevistados por eles. Ele afirma que o fato é falso e visa a atacar sua reputação, argumentando que nunca participou da arrecadação de recursos de nenhuma campanha eleitoral. E também que, ao contrário do que é afirmado na propaganda, não é alvo de investigação em operação da Polícia Federal que apurou supostos desvios de verbas da obra do trecho Sul do Rodoanel na Grande São Paulo.

A representação baseia-se na Lei das Eleições para pedir o direito de resposta na propaganda eleitoral de Dilma por 2 minutos e 30 segundos, o mesmo tempo usado para falar dele na propaganda eleitoral de segunda-feira.

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG