Para presidente do PT, debate foi morno porque regras "engessam"

Ao contrário de outros debates, a plateia passou a maior parte do tempo quieta, sem se manifestar, alternando a tensão inicial com sonolência e distração

Ricardo Gualhardo, iG São Paulo |

Uma frase do presidente nacional do PT e coordenador da campanha de Dilma Rousseff à Presidência, José Eduardo Dutra, resumiu o clima geral nos bastidores do primeiro debate entre os presidenciáveis.

“Pode ter sido até morno. As regras engessam um pouco o debate”, disse ele.

Ao contrário de outros debates, a plateia passou a maior parte do tempo quieta, sem se manifestar, alternando a tensão inicial com sonolência e distração.

Nem as promessas de explorar temas do momento como os ataques do PCC à polícia, em São Paulo, e a crise nos aeroportos, se confirmou.

A comparação com trechos de debates anteriores exibidos pela TV Bandeirantes, em que personagens como Janio Quadros, Paulo Maluf, Leonel Brizola e Mário Covas apareciam trocando ofensas, aumentou a impressão de que o debate desta quinta-feira foi morno.

Quase ninguém respeitou a norma de desligar os telefones celulares. Muitos, como o deputado estadual Rui Falcão, da coordenação da campanha de Dilma, passaram boa parte do tempo postando mensagens no Twitter.

Outros, como o deputado José Eduardo Cardozo, também da coordenação petista, acompanhavam o jogo entre Internacional e São Paulo.

Alguns convidados importantes foram embora antes do término do debate. É o caso do governador de São Paulo, Alberto Goldmann (PSDB), que saiu no final do quarto bloco. “Estou muito cansado”, justificou.

    Leia tudo sobre: Eleições DilmaEleições SerraPTdebate

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG