Papéis ligam deputado Eunício Oliveira a esquema no DF

Documentos ligam nome de candidato a senador a um esquema de divisão de contratos de vigilância no governo do Distrito Federal

Agência Estado |

selo

Documentos sigilosos em poder do Superior Tribunal de Justiça (STJ) ligam o nome do deputado Eunício Oliveira (PMDB-CE), candidato a senador, a um esquema de divisão de contratos de vigilância no governo do Distrito Federal, um mercado que move mais de R$ 200 milhões por ano. Ao lado de Eunício, dentro do suposto jogo de cartas marcadas, aparecem dois deputados distritais, Cristiano Araújo (PTB) e Eliana Pedrosa (DEM), candidatos à reeleição em outubro. Os três comandam ou têm familiares na direção de empresas que fornecem mão de obra terceirizada a órgãos públicos.

Futura Press
O deputado Eunício Oliveira, candidato ao Senado pelo PMDB-CE
Os nomes de Eunício, Cristiano e Eliana estão numa planilha apreendida no gabinete de José Geraldo Maciel, ex-chefe da Casa Civil no governo de José Roberto Arruda. O documento foi anexado, com o laudo 072/2010, no relatório final da Polícia Federal (PF), revelado ontem pelo jornal O Estado de S. Paulo, sobre o "mensalão do DEM" em Brasília.

Segundo a conclusão policial, Maciel "ocupou posição central no esquema de corrupção montado na administração". Concentrava-se no seu gabinete, no 11.º andar do Palácio do Buriti, boa parte das ordens financeiras e políticas do governo de Arruda, cassado e apontado pela PF como chefe de uma "organização criminosa".

Insatisfação
No arquivo encontrado no seu computador, Maciel relata a Arruda a insatisfação de Cristiano Araújo e Eliana Pedrosa com o crescimento de Eunício Oliveira nos contratos com o governo do DF. O deputado do PMDB é dono da Confederal Vigilância e Transporte de Valores, empresa que recebeu, pelo menos, R$ 55 milhões do governo do DF nos últimos quatro anos. "Governador: Deputado Cristiano Araújo me procurou hoje logo cedo. Ele estava angustiado. Acabou de perder mais um lote de vigilância", diz Maciel no documento.

Ele continua: "Cristiano diz que Eunício está neste momento com os seguintes contratos: Secretaria de Saúde, Secretaria de Esporte, Secretaria de Educação - Merendeiras, Secretaria de Planejamento, Tesouraria dos Estádios, Projeto 3.ª Merenda e está em vias de pegar um lote na Educação, o que contraria a Eliana". É a PF quem identifica Eunício como sendo "Eunício Lopes de Oliveira", nome completo do deputado e ex-ministro das Comunicações.

Defesa
Ontem, a reportagem procurou Eunício. Por meio de sua assessoria, ele informou que não se manifestaria. Alegou que se afastou da direção dos negócios desde 1998. Procurados nos gabinetes, Eliana Pedrosa e Cristiano Araújo não foram localizados. Os dois eram da base de apoio do governo de Arruda.

Eliana foi secretária de Desenvolvimento Social na gestão do ex-governador. A deputada declarou este ano patrimônio de R$ 7,1 milhões à Justiça Eleitoral. Já Cristiano Araújo afirmou possuir em R$ 1 milhão em bens, entre eles um carro Porsche (R$ 266 mil). As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

    Leia tudo sobre: eleições ceeunício oliveiraPMDBDF

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG