Oposição: empate era esperado e estratégia será mantida

Aliados de Serra já contavam com empate técnico com Dilma. Sérgio Guerra afirma que estratégia não muda

Adriano Ceolin, iG Brasília |

Aliados do candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra, disseram nesta sexta-feira que já esperavam o resultado de empate técnico demonstrado pela pesquisa Datafolha. Segundo o levantamento publicado pelo jornal “Folha de S. Paulo”, o tucano está com 39% das intenções de voto contra 38% da candidata Dilma Rousseff (PT). Marina Silva (PV) tem 10%.

“Nossa aliança já tinha esses dados em pesquisa interna feita pelo [Instituto] GPP”, afirmou o ex-prefeito do Rio de Janeiro Cesar Maia, um dos responsáveis pela indicação do vice de Serra, deputado Indio da Costa (DEM-RJ).“Agora com a escolha do vice de Serra, sua campanha ganhará mobilização e – finalmente - a campanha vai começar com os dois praticamente iguais no grid de largada”, completou.

Ainda segundo o ex-prefeito carioca, Dilma parou de subir e Serra deixou de cair como vinha acontecendo. “Ambos continuam melhorando em suas macro-regiões”, disse. “Insisto que Rio de Janeiro e Minas Gerais serão pontos fundamentais no resultado final”, avaliou Maia.

Presidente nacional do PSDB e coordenador-geral da campanha de Serra, o senador Sérgio Guerra (PE) afirmou que a estratégia da oposição não muda. “Vamos continuar buscando expor o nosso candidato e chamar a Dilma para o debate. O jogo, de verdade, começa agora. Será uma campanha duríssima”, completou.

O presidente nacional do DEM, deputado Rodrigo Maia (RJ), também lembrou que a oposição já detinha dados que mostravam o equilíbrio de Dilma e Serra. “E vai ser assim daqui para frente. Principalmente por conta do horário eleitoral. A candidata do PT vai ter de se expor mais”, avaliou.

Já o presidente do PPS, Roberto Freire, afirma: "É sempre bom o debate, a discussão de ideias. Seria bom que a candidata do PT participasse. Mesmo não participando, ela não se livra das discussão. A população começa a perceber que nosso candidato é mais preparado”, afirmou.

O líder do DEM no Senado, José Agripino (RN), também afirmou que o resultado de empate era esperado. Ele também defende a estratégia de super exposição de Serra. Agripino aproveitou ainda para criticar o PT. “Eles espalharam que estariam 10 pontos percentuais na frente, que ganharam no primeiro turno. Erraram. Será campanha disputada até o fim”, afirmou.

O líder do PSDB na Câmara, João Almeida (BA), é outro tucano que acha que a campanha não tem de mudar de estratégia. “Vamos manter o mesmo ritmo. Falar o que pensamos e expor o que acreditamos”, disse. “O jogo será difícil, equilibrado. Com uma disputa cabeça a cabeça”, completou.

Datafolha
O candidato tucano ao governo de São Paulo, Geraldo Alckmin, afirmou que o resultado da pesquisa animou muito a campanha presidencial. Ele acredita que poderá contribuir para aumentar a diferença de votos a favor de Serra e alcançar o objetivo do PSDB de garantir uma boa vantagem no Estado. "Tive 3,9 milhões de votos a mais que o Lula aqui em 2006. Nós vamos fazer o máximo em São Paulo para que isso aconteça com o Serra".

*Com colaboração de Nara Alves e Piero Locatelli

    Leia tudo sobre: PesquisaOposiçãoRepercussão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG