Ninguém quer disputar o Senado no PMDB-MG

Eleição difícil num estado que tem três candidatos fortes desanima políticos peemedebistas a disputar a vaga destinada ao partido na aliança com o PT

Bernardino Furtado, iG Minas Gerais |

O favoritismo de Aécio Neves (PSDB) para uma das vagas de senador por Minas Gerais e uma possível disputa acirrada pela segunda cadeira entre o ex-presidente Itamar Franco (PPS) e o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel (PT) criando uma curiosa dificuldade. No PMDB, que tem prioridade para indicar o segundo candidato ao Senado da coligação com o PT, no PCdoB e no PRB, ninguém quer a missão. Wellington Salgado e o ex-prefeito de Juiz Fora Tarcísio Delgado, sondados pelo presidente do PMDB-MG, Antônio Andrade, não demonstraram nenhum entusiasmo. Outro nome cogitado foi o do ex-prefeito de Uberlândia Zaire Rezende (PMDB), que também descartou . “Nem pensar”, reagiu.

Salgado, atual suplente de senador, ocupou a vaga no Senado por mais de quatro anos durante o período em que o titular, Hélio Costa, esteve à frente do Ministério das Comunicações (2005-2010), mas agora prefere tocar a campanha de deputado federal. “Tenho segurança de que terei 150 mil votos para federal. Para o Senado seria muito difícil”, disse Salgado nesta quarta-feira (30).

Três vezes prefeito de Juiz Fora e várias vezes deputado federal, Tarcísio Delgado é, provavelmente, o político mais antigo do PMDB mineiro, de onde nunca saiu. Foi um dos fundadores do partido com a criação do bipartidarismo pela Ditadura Militar em 1966. “Vários companheiros me procuraram hoje para me propor a candidatura ao Senado, mas avisei que terei de refletir muito, pelo menos durante três dias”, contou ele nesta quarta-feira (30). Ele alega que a disputa é muito difícil, especialmente para um candidato lançado tardiamente.

Curiosamente, Salgado e Delgado tinham interesse na primeira suplência do candidato a senador do PT-MG, Fernando Pimentel. No entanto, o PT reivindicou o direito de indicar o suplente, que será o deputado federal Virgílio Guimarães. “Queria aproveitar a estrutura e o trabalho que fiz no Senado. A Dilma vai ser eleita e certamente chamará o Pimentel para a sua equipe de governo”, alegou Salgado.

Tarcísio Delgado chegou a ser convidado para a suplência de Pimentel. O emissário do convite, numa visita ao ex-prefeito em Juiz Fora, foi, curiosamente, o deputado Virgílio Guimarães. Mas Delgado negou que esteja contrariado com a mudança de posição do PT-MG. “O meu compromisso é político e é com o projeto do presidente Lula para eleger Dilma. Depois vem o Hélio Costa e o Pimentel”, explicou o ex-prefeito.

    Leia tudo sobre: PMDBMinasSenadoHélio Costaconvenção

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG