Netinho se diz vítima de 'preconceito e ódio de parte da elite'

Policiais invadiram casa do cantor e candidato ao Senado para supostamente investigar irregularidades em declaração do imóvel

Matheus Pichonelli, iG São Paulo |

O cantor e apresentador Netinho de Paula, candidato do PCdoB ao Senado afirmou nesta quinta-feira, em comício ao lado do presidente Lula, em São Bernardo do Campo, que ele e sua família estão sendo alvo de “perseguição, preconceito e ódio de uma parte da elite paulistana e da imprensa”.

Na véspera, policiais civis, que segundo advogado do candidato, sem mandado judicial, invadiram sua casa para supostamente investigar irregularidades na declaração do bem do imóvel. Ele é alvo de uma investigação criminal aberta na Promotoria Eleitoral de Barueri, na Grande São Paulo, pela suspeita de não ter declarado à Justiça Eleitoral a casa onde mora com os filhos no condomínio Alphaville 8.

“Hoje, o negrão está atacado”, disse ele no começo do discurso. “Todos sabem a origem do dinheiro”. Netinho se escorou no presidente Lula e disse que aprendeu com ele a ser transparente em relação a suspeitas de irregularidades. Para ele, Lula mandava investigar quando tinha que investigar.

Ele se queixou por ter a privacidade invadida pelas autoridades policiais e citou o pensador Alexis de Tocqueville para falar que "o direito individual deve ser respeitado".

“Deve estar incomodando o negrão que vai para o Senado”, afirmou. Ele deu a entender que os policiais agiram a mando do governo do Estado, que é governado por adversários.

Netinho afirmou que diferentemente de outras ocasiões, desta vez não iria reagir com ódio, em uma alusão ao episódio da agressão a ex-mulher que, segundo ele, arrepende-se até hoje.

    Leia tudo sobre: eleições spnetinholulasenado

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG