Movimento é criado para fiscalizar políticos com "ficha suja"

Objetivo é fiscalizar questões como a compra de votos e denúncias relacionadas a improbidade administrativa

Agência Estado |

Apesar das recentes decisões do Supremo Tribunal Federal (STF) contrárias à Lei da Ficha Limpa, o Movimento de Combate à Corrupção Eleitoral (MCCE) se arma para, em parceria com o Ministério Público Eleitoral (MPE) e a Polícia Federal (PF), fiscalizar o registro das candidaturas no Tribunal Superior Eleitoral (TSE) e nos tribunais regionais. Hoje, até as 19 horas, é o prazo limite para o registro dos candidatos e o primeiro momento em que podem haver impugnações de pretendentes com ficha suja.

Segundo a diretora do MCCE, Jovita José Rosa, vários seminários têm sido organizados para implementar a fiscalização. "Temos conversado muito com o Ministério Público e a Polícia Federal para fazer o controle social desse processo. Teremos comitês nas principais capitais brasileiras para acompanhar o registro bem de perto."

Os comitês, de acordo com Jovita, estão sendo montados em parceria com entidades como a Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) e a Conferência Nacional dos Bispos do Brasil (CNBB), as principais das 44 entidades que compõem o MCCE.

Nestes locais, os membros do MCCE atuarão em contato direto com órgãos públicos ligados à transparência administrativa, como a Controladoria Geral da União (CGU) e a Polícia Federal. Além da Ficha Limpa, as entidades estarão de olho em questões como a compra de votos e denúncias relacionadas a improbidade administrativa. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo .

    Leia tudo sobre: eleiçõesPFOABMPF

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG