Missa de Tuma é marcada por protesto de motoboys em São Paulo

Manifestantes trabalharam na campanha para deputado de Robson Tuma, filho do senador falecido e ex-deputado federal não reeleito

Rodrigo Rodrigues, iG São Paulo |

A missa de sétimo dia do senador Romeu Tuma, falecido em virtude de falência de múltiplos órgãos no último dia 26, em São Paulo, foi marcada por um protesto de motoboys. Os profissionais trabalharam na campanha do filho do senador, o ex-deputado federal Robson Tuma (PTB). Pelo menos cinco motoboys estenderam uma faixa em frente ao santuário de São Judas Tadeu, no bairro do Jabaquara, onde estava sendo realizada a missa, em protesto contra o atraso no pagamento de salários prometidos pelo então candidato.

Segundo um dos motoboys que integrava o grupo, Paulo Bispo Alves, 24 anos, cerca de 14 motoqueiros prestaram serviço para o candidato durante a campanha e não receberam os salários acertados, que giravam em torno de R$ 1,5 mil mensais. O deputado, que não foi eleito, teria deixado uma dívida de R$ 20 mil, de acordo com os motoboys.

Rodrigo Rodrigues/iG
Faixa estendida pelos motoboys na frente do Santuário São Judas Tadeu, em SP, durante a missa de sétimo dia de Romeu Tuma
Eles resolveram aproveitar a missa de sétimo dia para chamar a atenção de Robson Tuma para o problema. “Sei que podem achar ruim pelo fato de a gente estar aqui na porta da igreja, mas nosso protesto é pacífico e todo mundo aqui tem família para sustentar”, disse Alves. Os manifestantes alegam que prestaram toda gama de serviços durante a campanha, transportando material, como bandeiras, panfletos, adesivos e até mesmo entregando marmita para os cabos eleitorais que trabalhavam no semáforos.

O coordenador da campanha de Robson Tuma, Waldemar Mattos, afirma que não há nenhum acordo com os motoboys diretamente, mas sim com a empresa para a qual eles trabalhavam, a Web Motos. Mattos alega ainda que já providenciou o acerto da dívida com a empresa, o que só não foi feito antes por causa do feriado e da dificuldade de emissão de notas fiscais pela Web Motos, o que é necessário para a prestação de contas diante da Justiça eleitoral.

Rodrigo Rodrigues/iG
Quadro do senador Romeu Tuma exposto durante a missa de sétimo dia no Santuário São Judas Tadeu, no Jabaquara, zona sul de São Paulo
Missa

A missa de sétimo dia do senador Romeu Tuma teve a presença de 400 pessoas e lotou o santuário de São Judas Tadeu. Vários políticos e autoridades estiveram presentes, como os deputados Arnaldo Faria de Sá (PTB), Fernando Capez (PSDB) e Gabriel Chalita (PSB), além do presidente da Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) e ex-candidato ao governo de São Paulo, Paulo Skaf (PSB).

A esposa do senador falecido, Zilda Tuma e os quatro filhos do casal se emocionaram durante a cerimônia e choraram muito com o discurso de Robson Tuma e Rogério Tuma, no altar da igreja. Ao final da missa, Robson Tuma, filho do meio e médico que cuidou de Tuma no Hospital Sírio-Libanês, disse que o pai “é exemplo de dignidade, humildade e respeito à vida das pessoas e às diferenças”.

Ele lembrou a luta de seu pai para salvar a vida de prisioneiros políticos durante o período da ditadura, época em que Romeu Tuma foi diretor do Departamento de Ordem Pública Social (DOPS), em São Paulo.

    Leia tudo sobre: Eleições

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG