'Mineiridade¿ dá o tom na despedida do horário eleitoral

Candidatos Hélio Costa e Antônio Anastasia dizem que são legítimos representantes do povo mineiro e buscam votos dos indecisos

Eduardo Ferrari, iG Minas Gerais |

Os candidatos ao governo de Minas apelaram para o sentimento de “mineiridade” dos eleitores do estado para buscar os votos dos indecisos no programa final do Horário Eleitoral Gratuito. Segundo a pesquisa Ibope/Estadão/TV Globo, divulgada em 27 de setembro, eles são 15% dos eleitores e ainda podem mudar o resultado da eleição - o candidato Antonio Anastasia (PSDB) tem 46% das intenções de votos contra 33% de Hélio Costa (PMDB), uma diferença de 13 pontos percentuais que, se confirmados, dão ao tucano a vitória ainda no primeiro turno.

No programa tucano, o primeiro a aparecer foi o ex-governador Aécio Neves. Candidato ao Senado com média de 65% das intenções de votos em todas as pesquisas realizadas desde julho, Aécio disse que no programa de abertura do horário eleitoral, no início do mês de agosto, ele respondeu porque os eleitores mineiros deviam votar em Anastasia, mas que no encerramento eram “milhões” de pessoas em Minas que respondiam essa pergunta.

O programa reforçou o resultado das pesquisas de intenção de votos, que indicam a vitória do tucano, e emendou com o depoimento de Anastasia. O candidato à reeleição agradeceu os “momentos de emoção” que passou durante a campanha e também agradeceu nominalmente a diversos “eleitores” de várias regiões do estado. Anastasia não deixou de agradecer os artistas que participaram a sua campanha, com imagens ao fundo de grupos como Skank e Jota Quest, e também aos candidatos Aécio Neves e Itamar Franco (PPS), que, assim como o ex-governador, concorre a uma vaga no Senado.

Antes do programa de Hélio Costa, parte de seu tempo foi utilizado para a transmissão de um direito de resposta dado a Anastasia pelo Tribunal Regional Eleitoral de Minas Gerais (TRE-MG), que considerou que o peemedebista divulgou informações erradas sobre os valores do ICMS em alguns estados brasileiros para exemplificar que o governo mineiro tinha um dos maiores impostos do país.

Em seu programa, Costa começou mostrando imagens de sua família e afirmando que os sacrifícios que fez durante a campanha, ausentando-se do convívio de sua esposa e filhos, iriam valer a pena para todas as “famílias mineiras”. O ex-ministro ainda usou seu tempo para falar de propostas de governo, respondendo a perguntas de “eleitores” sobre temas como saúde, combate às drogas e preços de contas de água, gás e luz. Em um dos questionamentos, uma eleitora que se identificou como “indecisa” perguntou ao candidato se ele “vai continuar as obras de Aécio Neves”. “Não se faz um bom governo apagando tudo o que foi feito, mas você há de concordar que ainda existe muito a ser feito”, afirmou Costa.

Costa encerrou seu programa dizendo que espera contar com a confiança do eleitor mineiro e que sua trajetória política o preparou para ser um dos melhores governadores de Minas. “Eu tenho propostas e apoio político para fazer um grande governo em Minas, um governo que seja voltado para o social. Minha trajetória me preparou para isso e tenho certeza de que o eleitor mineiro vai saber escolher o melhor para Minas”, concluiu.

    Leia tudo sobre: Eleições MG

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG