Mercadante encerra campanha com maratona e ironiza tucanos

Candidato do PT ao governo de SP diz que adversários não conseguem reunir apoio da militância nas ruas

Matheus Pichonelli, iG São Paulo |

Uma carreata de duas horas encerrou neste sábado, em Osasco, a campanha do candidato do PT ao governo de São Paulo, Aloizio Mercadante, no primeiro turno.

A maratona começou pela manhã com a primeira carreata em São Bernardo do Campo, ao lado do presidente Lula, da presidenciável Dilma Rousseff , e dos candidatos ao Senado, Marta Suplicy (PT) e Netinho de Paula (PCdoB). À tarde, a caravana, já sem o presidente e a ex-ministra da Casa Civil, teve sequência em São Mateus e Cidade Tiradentes, na zona leste da capital paulista, um dos principais redutos do PT.

Agência Estado
Mercadante faz carreata ao lado de Marta Suplicy (PT) e Luiza Erundina (PSB)

Osasco, onde Mercadante abriu a campanha oficial, foi também a cidade escolhida por ele para encerrar a corrida eleitoral. Ele percorreu áreas carentes do município, como a comunidade Colinas do Oeste. Aos gritos, moradores diziam aos seguranças da campanha petista que as dezenas de carros que entupiram as vias da comunidade não poderiam passar pelo bairro. Um dos moradores chegou a chamar o ato de “abuso”. Após o aval dos moradores, a carreata foi encerrada por volta das 18h40. A aposta no PT é que Mercadante consiga tirar a diferença de votos em áreas da periferia de São Paulo e da região metropolitana.

Durante a maratona, Mercadante ironizou os adversários que, segundo ele, não conseguem reunir apoio da militância nas ruas. “Eles não fizeram uma campanha popular, não fizeram caminhadas, carreatas, não conseguiram fazer um comício e olha que o nosso tem show”, disse o senador, que contou ter ouvido de Lula a mesma constatação pela manhã.

Osasco é administrada por Emídio de Souza (PT), coordenador da campanha de Mercadante. O ato em forma de carreata ocorreu porque na véspera da eleição não se pode pedir votos por restrição de legislação eleitoral. De cima da camionete, os candidatos só acenavam para os moradores enquanto carros de som quebravam o silêncio com jingles de postulantes a vários cargos.

Apesar de pesquisas de intenção de voto indicarem apenas chance remota de segundo turno no Estado, Mercadante disse estar confiante de que vai chegar forte para a próxima etapa das eleições. Ele afirmou que sua campanha foi prejudicada porque veículos de comunicação não deram a devida atenção para a disputa estadual. O petista disse acreditar, no entanto, que após o debate na TV Globo, na última terça-feira, que teve média de 20 pontos de audiência, “ficou claro” que o principal adversário, Geraldo Alckmin, não tinha segurança e apresentava dificuldades para defender os 16 anos de administração tucana em São Paulo. Para o senador, Alckmin teve coragem de atacá-lo pelas costas, mas não teve coragem de criticá-lo frente a frente quando teve oportunidade em debates transmitidos por emissoras de televisão.

Caso consiga a vaga para o segundo turno, o senador disse que há garantia de que o presidente Lula vai atuar como “um militante exemplar”. Segundo ele, Lula vai se “jogar de cabeça” para eleger o primeiro governador petista do Estado.

    Leia tudo sobre: eleições spmercadantecarreataalckmin

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG