Petista diz que não quer seu nome associado a candidaturas que não tenham discurso "republicano e cidadão"

O senador Aloizio Mercadante (PT) admitiu nesta quinta-feira, pela primeira vez, desconforto em relação ao discurso de candidatos aliados durante a propaganda eleitoral gratuita no rádio e TV. A manifestação foi motivada pela fala do candidato Tiririca (PR), que fez sucesso na TV e nas redes sociais da Internet ao dizer que não sabe para que serve um deputado federal e argumentar que, com ele na política, “pior que está não fica” .

Agência Estado
Mercadante em evento da Câmara Portuguesa
Na TV, a frase de Tiririca tem como pano de fundo o nome de Mercadante, que encabeça a coligação em São Paulo. “Eu já pedi para que eles ( partidos aliados ) sejam bastante rigorosos. Porque, de fato, existem anticandidaturas que eu não quero o meu nome associado. Ou eles mudam o discurso ou meu nome sai da tela”, afirmou o candidato ao governo paulista. No início, ele evitou citar nomes, mas em seguida admitiu: “Por exemplo, o Tiririca”.

Mercadante afirmou, porém, que não quer julgar o candidato, mas apenas o discurso que está sendo feito. “Quem tem de escolher são os eleitores. Os partidos é que são responsáveis pelas candidaturas que lançam. Ou têm um discurso que seja sério, republicano e cidadão, ou eu evidentemente não tenho interesse em estar associado a qualquer uma dessas candidaturas. Ou muda o discurso ou eu saio da tela”, disse o petista, que já solicitou aos partidos aliados que alterem o discurso das “figuras polêmicas”.

Voto na legenda

Outro desconforto da campanha citado por Mercadante foi a opção por incentivar o voto na legenda para deputado federal e estadual durante a propaganda eleitoral. Por esse método, os candidatos do PT ficam impossibilitados de aparecer e falar sobre suas propostas e apresentar seus números para votação. A medida desagradou a alguns postulantes petistas e levou o partido a decidir por mudanças na estratégia eleitoral a partir de agora.

“Vamos combinar as duas coisas, pedindo voto em legenda e expondo os nossos candidatos para que eles possam argumentar junto à população. As duas coisas são importantes e vão caminhar juntas”, disse o senador.

Apesar da mudança, Mercadante disse que o voto em legenda é importante para uma possível vitória do PT nas urnas. “A legenda do PT é muito importante historicamente. Isso puxa as bancadas estadual e federal. E hoje, como o PT é o partido de maior preferência dos eleitores em São Paulo, é muito importante a consolidação desse eleitor”.

Mercadante fez as declarações após participar de almoço com empresários, promovido pela Câmara Portuguesa de Comércio no Brasil, em um hotel em São Paulo.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.