'Médica realizava trabalho social', alega defesa

Advogados da coligação 'O Maranhão não pode parar' também negaram que candidatos estivessem envolvidos com compra de votos

Wilson Lima, iG Maranhão |

O advogado da médica presa hoje em São Luís acusada de trocar consultas médicas por votos em candidatos da coligação “O Maranhão não pode parar”, Charles Dias, negou que ela estivesse cometendo crime eleitoral. Segundo ele, a médica estava realizando trabalhos sociais na comunidade.

De acordo com o advogado, esse trabalho era realizado há vários anos no bairro Recanto dos Vinhais, onde ela foi presa. “Ela atendia principalmente crianças carentes”, justificou Dias. A médica também é funcionaria pública e realiza atendimentos na rede municipal de Saúde de São Luís.

Em operação realizada nesta terça-feira, três pessoas foram presas. Entre elas, estavam a médica, uma paciente e a proprietária da casa onde possivelmente ocorriam as consultas. Títulos de eleitores e material de campanha de dois candidatos à Assembleia Legislativa do Estado, um à Câmara Federal e da governadora Roseana Sarney (PMDB) foram apreendidos no local onde eram realizadas essas consultas.

Os advogados da coligação “O Maranhão pode parar” também negaram que Roseana, os candidatos a deputado estadual e federal tivessem algum envolvimento em crimes de capitação ilícita de sufrágio.

    Leia tudo sobre: eleições maPFvenda de votos

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG