Médica acusada de compra de votos é solta após pagar fiança

Profissional foi flagrada atendendo em uma residência com santinhos de candidatos no Maranhão

Wilson Lima, iG Maranhão |

A médica Silvana Teixeira e mais duas mulheres presas pela Polícia Federal (PF) acusadas de participar de um suposto esquema de compra de votos em São Luís em favor de candidatos da coligação “O Maranhão não pode parar” foram liberadas no início da madrugada de hoje.

As três foram liberadas por determinação do juiz José Carlos Sousa e Silva, do Tribunal Regional Eleitoral (TRE-MA) que imputou pagamento de fiança de R$ 3.550 para as três. A Polícia Federal instaurou inquérito para apurar o possível crime de capitação ilícita de sufrágio e o Ministério Público Eleitoral (MPE) também instaurou procedimento administrativo para investigar a denúncia de compra de votos no bairro Recanto Vinhais, onde a médica foi presa.

Silvana Teixeira foi presa no final da manhã de ontem enquanto realizava consultas na residência de uma pessoa chamada Maria de Jesus Macedo, proprietária da casa. Maria de Jesus, considerada líder comunitária da região, também foi presa. No imóvel, foram encontrados remédios destinados ao uso restrito em hospitais, santinhos da governadora Roseana Sarney (PMDB), de dois candidatos a deputado estadual e um a deputado federal da coligação “O Maranhão não pode parar”.

Pela denúncia do Ministério Público Eleitoral, a médica realizava consultas grátis em vários dias da semana na residência e em troca pedia votos para candidatos da coligação “O Maranhão não pode parar”. A coligação negou qualquer envolvimento no caso e os advogados da médica Silvana Teixeira afirmaram que ela estava realizando “trabalhos sociais sem fins partidários”.

    Leia tudo sobre: eleições majustiçadenúncia

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG