Marina diz ter 'dorzinha no coração'

Na convenção do PV, senadora lembrou amigos do PT do Acre

Raphael Gomide, enviado, e Severino Motta, iG Brasília |

A candidata do PV à Presidência, Marina Silva, admitiu ter participado da convenção nacional de seu partido, na tarde desta quinta-feira, com “uma dorzinha no coração” por estar separada de seus amigos de 30 anos no PT do Acre, do qual foi fundadora.

A convenção do PV, que homologou sua candidatura presidencial, ocorreu no mesmo dia em que o PT do Acre formalizava a escolha do senador Tião Viana ao governo do Estado. Tião disputará a sucessão do atual governador Binho Marques (PT), precedido no cargo por Jorge Viana (PT), irmão de Tião, todos amigos e companheiros de militância da senadora.

“Não posso deixar de dizer para vocês que estou aqui sem uma dorzinha no coração. É claro que eu estou. Eu sempre mencionei convenção do Jorge, do Tião, dos meus companheiros lá do Acre. Eu peço a Deus que eles continuem vitoriosos. Nós estamos separados momentaneamente, mas vamos nos encontrar no segundo turno”, afirmou.

Ela não especificou a que segundo turno se referia, se ao plano nacional ou estadual. Apesar da amizade de décadas com a agora candidata verde, os petistas darão palanque à candidata de situação, Dilma Rousseff, no Acre.

Marina Silva faz parte do grupo que ficou conhecido no Acre como “os meninos do PT”, que surgiu no começo dos anos 80. Na convenção, a senadora lembrou e elogiou o atual governador, Binho Marques, a quem comparou a um irmão e a um filho. Amigos de ambos se referiram à relação dos dois ao iG como de “irmãos gêmeos”.

Tião Viana e Jorge Viana também são muito próximos a Marina. No Acre, os políticos costumam dizer que a força dos “meninos do PT” estava especialmente no grupo, mais do que em cada um de seus membros individualmente.

    Leia tudo sobre: Marina SilvaGuilherme Leal

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG