Marina critica ataques entre PSDB e PT em 'twitaço'

Para a candidata do PV, partidos adversários tentam fazer um 'plebiscito para ver quem faz mais baixaria'

Rodrigo Rodrigues, iG São Paulo |

Futura Press
Marina Silva na lan house Cyber Games em São Paulo, SP, para participar do Twitaço, uma espécie de versão on-line do Panelaço

Comemorando a marca de 100 mil seguidores na rede de microblog Twitter, a senadora Marina Silva (PV-AC) participou na manhã desta terça-feira (20) de uma mobilização virtual em torno de sua candidatura à Presidência da República.

Em uma lan house na região dos Jardins, na zona sul de São Paulo, a candidata aproveitou o evento para criticar a troca de acusações entre PT e PSDB em relação à suposta ligação entre o Partido dos Trabalhadores e as Farc (Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia).

Para Marina, a troca de acusações entre os dois partidos expõe a deficiência dos candidatos no debate de propostas e ideias. “Elevar o tom nesse nível sai do plebiscito do melhor passado e entra no plebiscito para ver quem faz mais baixaria”, disse.

A candidata do PV criticou ainda as acusações feitas pelo vice da chapa de José Serra, Indio da Costa, que acusa o PT de ligação com o narcotráfico. “A forma de desconstruir o adversário pelo rótulo não é a melhor forma de fazer política. Quando não se quer debater, rotula-se o adversário disso ou daquilo para não dar explicações”, afirmou.

Sobre a polêmica envolvendo a procuradora eleitoral Sandra Cureau, que o PT acusa de pegar no pé do presidente Lula e da candidata Dilma Rousseff, através da aplicação de multas, Marina Silva disse que o poder público está cumprindo o papel de fiscalizador dos candidatos. A candidata do PV lembrou, porém, que tanto o presidente Lula quanto o governador de São Paulo, Alberto Goldman, têm feito propaganda explícita de seus candidatos: “Tanto da parte do Serra quanto da parte da candidatura Dilma tem tido extrapolações de uso da máquina. A regra é para todos”.

Cidade Limpa

Marina Silva também criticou nesta terça-feira a flexibilização da 'Lei Cidade Limpa' em São Paulo, que permitirá a partir deste ano que os candidatos façam propaganda eleitoral através da pintura de muros ou exibição de faixas e cartazes em prédios residenciais e comerciais. Segundo a candidata verde, a cidade demorou para aprovar uma legislação que respeitasse a lei ambiental contra a poluição visual e agora retrocede no assunto em virtude do interesse dos políticos.

"É fácil cobrar cumprimento da lei quando se trata dos comerciantes. Os políticos que fazem as leis precisam ser os primeiros a cumprí-la. Não podemos romper com uma conquista tão importante em função do nosso interesse de entrar em contato com os eleitores", argumentou.

‘Twitaço’
Apostando efusivamente na propaganda pela internet, militantes do PV e seguidores de Marina Silva promovem durante toda a terça-feira uma grande mobilização apelidada de ‘twittaço’, onde os seguidores postam mensagens de apoio à candidata através da expressão #euvotomarina.

A mobilização garantiu o nome da candidata entre os tópicos mais comentados do microblog (trending topics) por volta das 13h30. O ‘twitaço’, segundo Marina, é uma forma de resgate da militância política e prova que sua campanha tem fôlego para driblar a falta de recursos e o pouco tempo de televisão. “Estamos a beira de um apagão humano e a militância virtual tem feito a diferença na política real”, comentou.

Após o evento, Marina fez uma caminhada entre a rua Augusta e a avenida Paulista, em São Paulo, onde cumprimentou eleitores. A candidata viaja na noite nesta terça-feira para os Estados Unidos, onde cumpre agenda de campanha em Nova York e participa de encontro com investidores estrangeiros nesta quarta e quinta-feira.

Acontece no dia 26 de julho o 1º Debate On-Line Presidenciáveis 2010 . Saiba aqui como participar.

    Leia tudo sobre: Marina SilvaTwitter

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG