Petistas negam que a ausência do presidente seja para evitar o desconforto com os dois palanques no estado

O PT da Bahia marcou para o próximo domingo (27) a convenção estadual que indicará oficialmente o governador Jaques Wagner como candidato à reeleição, ocasião que terá a presença confirmada da candidata à Presidência Dilma Rousseff. Mas, entre as personalidades políticas confirmadas, uma delas – talvez a mais importante de todas – estará oficialmente ausente: o presidente Lula.

O presidente baiano do PT, Jonas Paulo, alega que o mandatário nacional sequer foi convidado para o evento, que esperava contar apenas com a ex-ministra. O dirigente disse ainda que “o PT não dá, nem nunca deu, em 30 anos, importância a convenções”. “O evento serve apenas para lançar a chapa, energizar a militância e dar início à campanha”, minimizou, descartando a possível demonstração de força política.

Luiz Caetano (PT), coordenador da campanha de Wagner e prefeito do município de Camaçari, na Grande Salvador, nega que tenha havido acordo entre o presidente Lula e os partidos, PT e PMDB, para que apenas Dilma fosse às convenções na Bahia, evitando assim desconforto entre as legendas. “Não há desconforto nenhum. Lula é do PT”, disse.

Lula teria ameaçado subir em apenas um palanque nos estados em que o PMDB, seu principal aliado nacional, lançasse candidatura própria ao governo. A regra acertada entre os partidos, de subir em dois ou mais palanques aliados, só teria valor para a candidata Dilma Roussef. Lula cumpriu a promessa e não esteve na capital baiana para a convenção do PMDB, que homologou Geddel Vieira Lima candidato ao Governo do Estado.

O ex-ministro da Integração Nacional deixou de lado a briga dos dois palanques e insiste que “não está em uma disputa de carinho, de atenção”. Para o peemedebista, a presença de Dilma em dois palanques não confunde o eleitorado. “O eleitor baiano haverá de compreender que nós apoiamos um projeto nacional e que apresentaremos um projeto estadual melhor que este que aí está”, disse.

Além de Wagner, o encontro do domingo homologa a de Otto Alencar (PP) para vice e confirma os nomes dos deputados federais Lídice da Matta (PSB) e Walter Pinheiro (PT) ao Senado.

Lula pode acompanhar Wagner no 2 de Julho

Para Luiz Caetano, o presidente não participará da convenção petista porque, possivelmente, estará em Salvador no tradicional desfile cívico em homenagem à Independência da Bahia, o Dois de Julho. Foi Salvador a capital que deu a Lula maior votação do País na última eleição, com 85% dos votos válidos.

A passagem de Lula pela capital baiana na data seria em cumprimento a sua agenda oficial, o que garantiria a Wagner a companhia do presidente durante o desfile. "É um ato oficial, não político", informou Caetano.

A assessoria de imprensa da Presidência da República esclareceu que a agenda de Lula para a próxima semana ainda não está fechada, mas que, a princípio, consta na mesma data apenas uma possível viagem do presidente à África.

    Leia tudo sobre: Lula
    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.