Lula diz que segundo turno é 'bênção de Deus'

Após evento no Rio, presidente afirmou também que compreenderá se Marina Silva decidir pela neutralidade

Sabrina Lorenzi, iG Rio Janeiro |

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva afirmou hoje que o fato de haver segundo turno nas eleições é uma oportunidade para que os eleitores conheçam melhor cada candidato. "É uma bênção de Deus ter a chance de disputar segundo turno", disse Lula a jornalistas após participar da inauguração das obras de ampliação do centro de pesquisas da Petrobras (Cenpes), no Rio de Janeiro.

Lula disse, ainda, que o  "povo já deu seu recado no primeiro turno das eleições" ao destinar 67% dos votos para as candidatas Dilma Rousseff (PT) e Marina Silva (PV). "Eles querem uma mulher". Mas ponderou logo em seguida: "Mas sabemos que eleição é igual a mineração, pois só conseguimos saber o resultado depois da apuração".

Apoio de Marina

Indagado sobre a disputa de seu partido (PT) pelo apoio de Marina Silva no segundo turno das eleições, Lula disse que compreenderá se ela ficar neutra. "Acho que a Marina é uma extraordinária companheira. Tenho carinho por esta pessoa que ficou no meu governo durante dois terços do meu mandato. Compreendi quando ela saiu e vou compreender a decisão dela (...) Talvez ela fique neutra".

Jogo sujo

Ao responder outra pergunta sobre a prática de jogo sujo durante as eleições, Lula enumerou algumas situações por que passou ao longo das eleições que disputou antes de chegar ao poder. E disse que sempre há um jogo sujo, uma política rasteira, em época eleitoral. "Falavam mal da minha barba, da cor do meu partido (...), que eu queria acabar com as igrejas evangélicas (...) Temos que nos preocupar é com o povo, temos que falar para eles, é com eles que temos de nos importar".

Lula participou da inauguração de dez novas alas no Centro de Pesquisas e Desenvolvimento Leopoldo Américo Miguez de Mello (Cenpes), no Rio, cujos investimentos foram de R$ 1,2 bilhão.

Durante a solenidade de inauguração das obras, o presidente ressaltou feitos de seu governo nas áreas de educação, de ciência e tecnologia e na economia. Reiterou que em ao final de seus dois mandatos terão sido gerados 15 milhões de empregos - dos quais 2 milhões de vagas em 2010.

Mercado com título de eleitor

Contou que quando chegou ao poder foi alertado por interlocutores que algumas atitudes suas - como trocar o diretor da Agência Nacional do petróleo (ANP) e indicar José Sérgio Gabrielli para a diretoria financeira da Petrobras - poderiam desagradar o mercado. "Eu fiquei me perguntando se esse mercado tinha titulo de eleitor", disse, bem-humorado.

Lembrou que logo que assumiu começou a fazer política industrial, quebrando a tradição da Petrobras de encomendar plataformas e navios no exterior. No começo da gestão petista, a Petrobras interrompeu licitações em curso para priorizar a indústria nacional. "A pergunta que fazíamos era se valia à pena ganhar cem milhões (de dólares) na importação de plataforma ou ver milhares de trabalhadores desempregados".

"Se a gente juntar o que é bom de Estado, com o que é bom de mercado, a gente faz uma ótima parceria", concluiu o presidente.


    Leia tudo sobre: eleições dilmaeleições serralulapleito 2010marina

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG