Lula classifica agressão a Serra de 'mentira descarada'

O presidente comparou o candidato tucano ao ex-goleiro Roberto Rojas, que em 1989 fingiu ter sido atingido por um foguete

Agência Estado |

selo

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva foi contundente nas críticas ao candidato do PSDB à Presidência da República, José Serra , em rápida entrevista coletiva após a inauguração do dique seco de Rio Grande (RS). Sobre a suposta agressão sofrida pelo tucano, ontem, durante caminhada no centro no Rio de Janeiro, Lula chegou a usar os termos "mentira descarada" para classificar o ocorrido.

Para Lula, o episódio "deixou o dia de ontem marcado como o dia da farsa, o dia da mentira".

O presidente disse ter visto imagens das redes Record e SBT. Segundo ele, Serra foi atingido por uma bolinha de papel e seguiu caminhando por mais 20 minutos, quando recebeu um telefonema "de algum assessor da publicidade da campanha que o sugeriu para parar de caminhar e por a mão na cabeça para criar um factoide".

"A mentira, a mentira que foi produzida ontem pela equipe de publicidade do candidato José Serra é uma coisa vergonhosa, aliás, ontem deveria ser denominado o dia da farsa, o dia da mentira, porque, gente, porque venderam o dia inteiro que esse homem tinha sido agredido, e se vocês não viram ainda, vocês peguem o que foi divulgado no Jornal da Record ou o que foi divulgado no SBT", afirmou o presidente.

Lula comparou ainda o candidato tucano ao ex-goleiro Roberto Rojas, que em 1989 fingiu ter sido atingido por um foguete no Maracanã, suspendendo a partida entre Brasil e Chile pelas eliminatórias. Após uma câmera da Rede Globo ter flagrado que o foguete não acertou o atleta, o Chile foi desclassificado das eliminatórias e suspenso da edição seguinte.

"Para vocês verem uma mentira mais grave do que a mentira daquele goleiro Rojas, aquele goleiro do Chile que, no Maracanã, caiu e fingiu que um foguete tinha machucado ele", disse o presidente.
"(Serra) deve ter lembrado do jogo do Chile com o Brasil, ele bate a mão na cabeça e vai ser atendido por um médico que foi secretário da Saúde do governo do prefeito César Maia, no Rio de Janeiro, e foi o diretor do Inca quando o Serra foi ministro da Saúde", completou Lula.

O presidente ainda disse que ele e pessoas do PT chegaram a cogitar a fazer um "telefonema solidário" a Serra, mas depois dizem ter descoberto que se tratava de uma "mentira" que "faz parte da campanha de baixo nível".

"Eu penso que mentira tem perna curta. Eu, ontem à tarde, até conversei com os companheiros do partido: 'Precisamos ligar para o Serra para sermos solidários, porque ele foi agredido, e nós não podemos admitir qualquer tipo de agressão'. Quando eu vejo na televisão hoje, quer que eu diga para vocês? Nenhum candidato, esteja ele em primeiro lugar, esteja ele em segundo, terceiro ou em quarto lugar, seja ele novo ou velho, tem o direito de mentir da forma descarada, como o PSDB mentiu ontem. Ninguém tem o direito de contar uma mentira achando que do lado de trás da tela tem um bando de pessoas que não compreendem nada. Eu acho, eu acho que faz parte da campanha de baixo nível, neste país", afirmou o presidente.



    Leia tudo sobre: pleito 2010eleições serraeleições dilma

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG