'Greve de fome foi decisão coletiva', diz deputado do MA

Membro do time petista que quer apoiar Flávio Dino (PC do B) no Maranhão, Domingos Dutra (PT) promete vigília

Ricardo Galhardo, iG São Paulo |

Petistas contrários ao apoio do partido à reeleição de Roseana Sarney (PMDB) para o governo do Maranhão farão uma vigília na porta do Diretório Estadual do partido para pressionar a direção nacional a manter a aliança com o pré-candidato Flávio Dino (PC do B). A informação é do deputado federal Domingos Dutra (PT-MA), um dos maiores defensores da aliança com o PC do B.

Em conversa com o iG no final da tarde desta quarta-feira, Dutra manteve a disposição de fazer uma greve de fome no plenário da Câmara, caso a direção nacional obrigue o PT maranhense a apoiar Roseana. “A greve de fome foi uma decisão coletiva”, disse o deputado. Leia os principais trechos da entrevista.

iG - O PT vai decidir na sexta-feira a posição do partido no Maranhão. O senhor continua disposto a fazer greve de fome caso o partido venha a apoiar Roseana Sarney?

DD – A greve de fome foi uma decisão coletiva de vários setores do partido no Maranhão. Não estamos querendo fazer guerra, só estamos reagindo à interferência em uma decisão soberana e legítima do PT maranhense ( que aprovou a aliança com o PC do B ).

iG – Nos últimos dias surgiu a proposta de neutralidade do partido na eleição estadual. A senhor considera a proposta viável?

DD – Estamos dispostos a discutir qualquer proposta, mas precisamos saber que neutralidade é essa. Sem uma cabeça de chapa não conseguiríamos eleger nenhum deputado federal e talvez só um estadual. Além disso, o PSB e o PC do B dependem do nosso apoio. Sem o PT podemos jogá-los no colo de José Serra.

iG – Como o PT maranhense pode resistir à direção nacional, já que o Congresso Nacional do partido deu poderes à cúpula para interferir nos Estados?

DD – A partir de amanhã ( quinta-feira ), vários petistas vão fazer uma vigília na sede do partido em São Luís. Depois de amanhã ( sexta-feira ), a vigília vai se espalhar para Imperatriz e outras cidades do interior. É importante dizer que quem provocou toda essa confusão não foi o nosso grupo, foram Roseana e José Sarney, que ainda não se acostumaram com a democracia no Brasil e ganharam o governo no tapetão em Brasília, e parte do CNB ( Construindo um Novo Brasil, a maior corrente interna do PT ), que fez um acordo com os Sarney, perdeu a disputa interna e agora não consegue entregar aquilo que prometeu.

    Leia tudo sobre: Dilma rousseffmaranhão

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG