Governador reeleito do Mato Grosso do Sul anuncia aposentadoria

Puccinelli afirma que Nelsinho e Simone fortalecerão a política em MS após a saída do cenário político

Alessandra Messias, iG Campo Grande |

O governador reeleito, André Puccinelli (PMDB), não deve mais disputar cargos eletivos e após o mandato 2011 a 2014. Ele também afastou a hipótese de renunciar ao cargo em 2014 para concorrer a uma vaga ao Senado. Puccinelli disse que vai se aposentar. Puccinelli assegurou em reunião com correligionários que vai prestigiar a “gurizada mais nova,” mas, não há nenhum nome em específico.

“Ninguém em especial. Podem ser meninos ou meninas, os mais jovens. Pode ser Nelsinho, pode ser Simone, as novas lideranças que pontifiquem.” Nelsinho é o prefeito de Campo Grande, Nelson Trad Filho (PMDB). E Simone é a nova vice-governadora de MS a partir do ano que vem, Simone Tebet (PMDB).

Trajetória política

Em 2007, no começo do primeiro mandato como governador, André disse que não tinha intenção de concorrer á reeleição e disputou novamente o cargo e venceu. Mas antes, havia dito que se dedicaria somente à família e aos netos. Quando foi reeleito prefeito de Campo Grande, em 2001, Puccinelli tinha interesse de ocupar todos os cargos políticos, exceto o da presidência da República.

Por que? Por causa de devido a sua origem italiana. Ele assegurou que a possibilidade de um novo mandato não passa de especulação. “Alguns andaram dizendo por aí ‘você vai ser candidato a senador’, não. Não quero ser candidato ao Senado, concluo meu mandato como governador e encerro a carreira, pelo menos a vontade de agora é essa.”

Remanejamento

Uma das modificações de Puccinelli no executivo é encaixar a deputada estadual Celina Jallad (PMDB) para compor o grupo de sete conselheiros do Tribunal de Contas do Estado (TCE-MS). Celina não concorreu à reeleição para o cargo de deputada estadual neste pleito.

A assessoria do TCE afirmou que o conselheiro corregedor, Osmar Dutra, se aposenta no dia 18 de novembro, e, desocupa uma das sete cadeiras, onde Celina será acomodada, segundo o governador. “É a Assembleia quem define, mas Celina é o nome da minha indicação,” enfatizou.

Bons quadros

O governador de MS também tem interesse de aproveitar os “bons quadros” da política sul-mato-grossense. O governador referiu-se ao deputado estadual Youssif Domingos, líder na Assembleia Legislativa da bancada do PMDB, que “desempenhou um bom trabalho, mas que ficou sem mandato.”

Youssif tentou a reeleição ao mandato de deputado, mas ficou como segundo suplente, com 20.809 votos, o equivalente a 1,60% dos votos válidos do eleitorado do estado. “Vou trazê-lo para o governo. Ele é um ‘bom quadro’, é uma pessoa competente, correto e leal companheiro, por isso vou aproveitá-lo,” justificou.

André também descartou a possibilidade de Youssif ser um dos novos secretários de governo e relatou que “não vai chamar dois titulares na Assembléia Legislativa” para ocupar cargos do 1º escalão de MS. “Vou aproveitá-lo. Pode ser numa secretaria, na administração direta ou indireta como agência, empresa, ou autarquia. O fato é que ele tem boa aplicabilidade”, finalizou o governador.

    Leia tudo sobre: eleições mspuccinellimstrad filho mssimone tebet ms

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG