Filhos de Chico Mendes cogitam candidatura

A convivência com os companheiros de Chico Mendes e a proximidade com a política tornam a carreira inevitável

Agência Estado |

selo

Herdeiros do legado da luta ambiental deixado por Chico Mendes, assassinado em 1988 no município de Xapuri, interior do Acre, Elenira Mendes, de 26 anos, e Sandino Mendes, de 24 anos, estudam a possibilidade de levar a causa do pai adiante como candidatos em eleições futuras. Com uma história de vida marcada pela violência no campo, os filhos do líder seringueiro cresceram ouvindo de terceiros a importância do movimento liderado pelo pai. A convivência com os companheiros de Chico Mendes e a proximidade com a política desde os primeiros dias de vida tornam a carreira pública um caminho quase inevitável para os dois.

Elenira, formada em Administração de Empresas e pós-graduada em gestão de recursos ambientais, estuda agora Direito já pensando em seu futuro político. Entre o PT, partido do qual o pai foi um dos fundadores no Acre, e o PV, Elenira optou em 2007 pelos verdes. "Na última imagem dele com vida, meu pai aparecia correndo com uma bandeira do PV no Rio. Para mim simbolizou algo muito forte", lembra. No Acre, Elenira é uma das mais engajadas na campanha da presidenciável do PV, Marina Silva. "Marina é a melhor representante dos ideais do meu pai", diz.

Por ser filha do líder seringueiro e, como consequência, ter um potencial de votação expressivo, ela teve a oportunidade de lançar candidatura a prefeita de Xapuri na eleição de 2008, mas recusou o convite para não confrontar o poder hegemônico do PT no Estado. "É um poder legítimo, os petistas construíram isso. Agora nós temos de construir isso também. A alternância de poder tem de ser administrada", justifica Júlio Pereira, presidente de honra do PV estadual.

Este ano, Elenira teve a chance de disputar pela primeira vez uma eleição para deputada federal, mas também não se sentiu à vontade. "Não aconteceu agora, mas na próxima eleição isso vai acontecer", prevê o presidente do PV acreano. "Vai chegar o momento. E eu tenho interesse sim ", admite Elenira. A prioridade agora é construir sua carreira política e cuidar da filha de seis anos, Maria Luisa. "A gente não pode se lançar de qualquer jeito. Conto com a força extra da Marina, é bom tê-la do meu lado."

Semelhanças
Sandino não se lembra da curta convivência com o pai porque Chico Mendes foi morto quando ele tinha dois anos de idade. Do pai ele carrega a semelhança física e o envolvimento com trabalhadores rurais - ele coordena um programa do Ministério do Desenvolvimento Agrário no Acre. Além da aparência física, Sandino ganhou do pai o nome, uma homenagem ao líder guerrilheiro nicaraguense Augusto César Sandino. O nome de Elenira também foi uma escolha do pai em homenagem à guerrilheira do Araguaia Elenira Rezende.

Consciente de que provoca um "encantamento" natural nas pessoas por ser filho de Chico Mendes, Sandino sabe que carrega nas costas a "obrigação" de ser um exemplo. "Minha missão é não deixar que a história dele se apague", afirma.

Sandino é frequentemente questionado sobre suas intenções políticas e até sofre pressão para se filiar a um partido e se candidatar, mas diz que ainda não é o momento. "Não sei se me elegeria fácil. As pessoas perguntam, mas eu não tenho essa certeza, apesar de saber que meu nome é forte. Mas isso é para o futuro", desconversa.

Eu nunca pensei nisso, deixei para eles. Mas uma hora Sandino e Elenira entram na política", acredita Ilzamar Mendes, mãe dos filhos de Chico Mendes.

    Leia tudo sobre: Chico Mendesacre

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG