Evento organizado pelo ex-presidente em apoio a Serra contou com participação do governador e prefeito de SP

No último evento da campanha tucana na capital paulista, que foi organizado por Fernando Henrique Cardoso, o ex-presidente não conseguiu completar a caminhada do Largo São Francisco à Praça da República, na região central de São Paulo. Em virtude do empurra-empurra e da falta de organização, FHC perdeu a sola do sapato e teve de abortar a caminhada ainda no seu início, em frente à Prefeitura Municipal, no Viaduto do Chá.

Futura Press
FHC caminha entre Kassab e Alckmin em ato pró-Serra no centro de São Paulo
Apesar do incidente, Fernando Henrique disse estar otimista e que espera uma virada nas urnas por parte do candidato do PSDB, José Serra , que está atrás nas pesquisas de intenção de voto. De bom humor, o ex-presidente brincou: “É bom gastar sola de sapato na campanha”.

Na opinião dele, Minas Gerais e São Paulo serão a chave para a vitória de um dos dois candidatos. Questionado sobre a participação dele na campanha, limitou-se a dizer: “Fiz tudo o que o Serra me pediu”. FHC disse estar “sempre otimista” e acrescentou: “É difícil calcular a cabeça do eleitor nos últimos dias, mas há muito entusiasmo e ânimo”.

Embora FHC tenha sido obrigado a interromper a caminhada, o trajeto foi completado pelos outros participantes do evento. Estavam na caminhada o governador eleito por São Paulo, Geraldo Alckmin (PSDB), o governador do Estado, Alberto Goldmann (PSDB), o prefeito Gilberto Kassab (DEM), o candidato a vice na chapa de Alckmin, Guilherme Afif Domingos (DEM), o senador eleito Aloysio Nunes Ferreira (PSDB) e o deputado Ricardo Montoro (PSDB), além de secretários que fazem parte da administração estadual e municipal.

Vários funcionários da Prefeitura e do governo estadual interromperam o trabalho para prestigiar o evento. No fim da caminhada, o prefeito Kassab disse aos jornalistas que precisava correr “para voltar ao batente”.

Para Alckmin, "essas 48 horas são decisivas para transformar a intenção de voto em voto. O que vale no domingo é o voto na urna", afirmou. O governador eleito disse ainda que "sente entusiasmo e garra nas ruas e não se importa com pesquisa.” Ele parou no meio da caminhada para para tomar um café, "acalmar e descansar porque estava muito empurrra-empurra", afirmou.

Aloysio Nunes também manifestou otimismo em relação a uma virada de última hora. Segundo ele, os eleitores vão perceber que Lula não é mais candidato. "E vão ter que comparar entre Dilma e Serra quem é mais preparado para dirigir o País”, completou.

Houve muita reclamação por parte dos participantes, que protestaram contra a falta de organização. Durante o trajeto, o clima foi de empurra-empurra e bate-boca entre fotógrafos e seguranças das lideranças tucanas. De acordo com a organização, 8 mil pessoas fizeram a caminhada. Já a Polícia Militar calculou esse número em 2 mil.

O PT também organziou uma passeata para a tarde desta sexta-feira, em São Paulo, com a presença de integrantes paulistas da cúpula do partido, como a senadora eleita Marta Suplicy e o candidato derrotado ao governo do Estado, senador Aloizio Mercadante. A caminhada dos petistas está marcada para comçar às 15 horas, e deverá passar pela Praça do Patriarca e ruas da região central da cidade.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.