Executiva do PMDB deve selar vice de Dilma hoje

Líderes do partido se reúnem na presidência do PMDB, em Brasília, e querem anunciar Michel Temer na chapa com a candidata do PT

Andréia Sadi, iG Brasília |

A menos de um mês da convenção do PMDB, a Executiva do partido se reúne nesta terça-feira, na presidência da legenda, na Câmara dos Deputados, para selar o nome de Michel Temer na vice da candidata do PT à Presidência, Dilma Rousseff. A data da convenção do partido também deverá ser oficializada.

Para o último sábado, o PMDB havia agendado o encontro que homologaria Michel Temer como vice de Dilma. Mas problemas de aliança nos Estados adiou o evento para 12 de junho, véspera da convenção nacional do PT. O PMDB quer que o aliado ceda em alguns Estados antes de oficializar o casamento. No entanto, a avaliação entre os integrantes do partido é a de que o nome de Temer é consenso e a pré-candidatura poderia ser anunciada antes da convenção.

Questionada se o deputado seria um bom parceiro na chapa, Dilma disse ontem que Temer é uma pessoa qualificada e se confundiu ao dizer que ele ocupa a presidência do Senado. “Tudo indica que o PMDB vai escolher o seu vice. Eu acho que o Michel Temer é uma pessoa qualificada para ser vice, é o presidente do Senado e tem toda uma trajetória”, disse.

Ontem, durante jantar de líderes na casa de Temer, foram discutidos os quadros nos Estados onde PT e PMDB enfrentam problemas com alianças. Um levantamento feito pelo iG junto ao PT e o PMDB mostra que, em pelo menos oito Estados, há acordo entre os partidos para formação de um único palanque, em mais sete ainda estão abertas as negociações e em doze os partidos deverão estar em lados opostos.

O principal objetivo da parceria é a formação da chapa nacional, em que a ex-ministra  será a candidata a presidente e o deputado federal paulista será o vice. No entanto, firmado em outubro passado, o pré-acordo entre os partidos nunca chegou a ser ameaçado em nível nacional. 

Porém, as cúpulas dos dois partidos sempre visaram reproduzir a aliança no maior número de Estados possível. Em alguns casos, as Executivas de PT e PMDB chegaram a condicionar a coligação a um acerto entre seus diretórios regionais. O presidente Luiz Inácio Lula da Silva também prometeu entrar em campo para solucionar problemas.

Minas Gerais é o caso mais emblemático. Segundo maior colégio eleitoral do País, o Estado tem sido classificado como fiel da balança na eleição deste ano. Ex-ministro das Comunicações, o senador mineiro Helio Costa é o pré-candidato ao governo lançado pelo PMDB. Ele sempre disse ter a promessa de que o PT o apoiaria.

Até agora, isso não ocorreu. Há duas semanas, os petistas fizeram uma prévia em que o ex-prefeito de Belo Horizonte Fernando Pimentel foi escolhido pré-candidato ao governo. Ele próprio cogita abrir em nome de Costa e concorrer ao Senado. No entanto, tem sido pressionado pelo diretório do PT de Minas.

    Leia tudo sobre: Dilma Rousseffeleições 2010PMDBMichel Temer

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG