Prefeitura de São Paulo diz que vai construir quatro piscinões

Por Agência Estado |

compartilhe

Tamanho do texto

Para amenizar os transtornos causados pelas enchentes frequentes, prefeitura também tem planos de enterrar fiação de semáforos

Agência Estado

Willians Queiroz / Futura Press
Alagamento na rua Água Fria, zona norte de São Paulo, na tarde desta sexta-feira

Depois de uma forte tempestade alagar 77 pontos da cidade na quinta-feira (14) e voltar a causar problemas na sexta (15), a Prefeitura prometeu amenizar os transtornos das enchentes enterrando a fiação de semáforos - para evitar as frequentes panes - e construindo quatro piscinões, nas bacias dos Rios Aricanduva e Pinheiros, nas zonas leste e sul.

Segundo o secretário municipal de Transportes, Jilmar Tatto, o enterramento da fiação deverá começar já no segundo semestre deste ano - estimada em R$ 50 milhões, a licitação deve começar no mês que vem. "Os semáforos caem por causa de queda de energia, por chuva ou por raios. Vamos fazer a licitação para amenizar esse problema."

Leia mais:
Após forte chuva, SP ainda registra mais de cem semáforos com problemas
Mais de 90 estão desalojados por causa do temporal

Ontem, 178 faróis continuavam apagados ou em amarelo piscante na cidade às 20 horas.

Já o secretário de Coordenação das Subprefeituras, Chico Macena, disse que as primeiras vias a terem o enterramento serão as de corredores de ônibus - licitação em andamento já previa tornar subterrânea a fiação aérea, não apenas de semáforos.

A Prefeitura não deu prazo para a construção dos piscinões nas zonas sul e leste e informou que desistiu de fazer o piscinão da Pompeia, na zona oeste. Segundo a Prefeitura, o metro quadrado na região é muito caro para que haja desapropriação e o processo é demorado. Por isso, o foco agora será a ampliação de galerias já existentes - uma do Córrego Sumaré, de 3,7 mil metros, e a outra do córrego Água Preta, de 3,3 mil metros.

Atualmente, o governo do Estado tem dois piscinões em fase de construção na capital. Um deles é o Olaria, no Campo Limpo, e outro é o Guamiranga, perto do Rio Tamanduateí, na zona leste. Há um terceiro piscinão, cuja obra ainda não começou, na problemática confluência do Córrego Jaboticabal e dos Ribeirões dos Meninos e dos Couros. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Leia tudo sobre: chuvasigspenchentes

compartilhe

Tamanho do texto

notícias relacionadas