Este ano, Taques, que é filiado ao PDT, se elegeu governador com um amplo arco de aliança partidária

Agência Brasil

Eleito no primeiro turno com mais de 833 mil votos – 57% dos votos válidos –, o governador Pedro Taques assumiu hoje (1º) o cargo de governador do Mato Grosso, substituindo Silval Barbosa. O novo vice-governador, Carlos Fávaro, também foi empossado esta manhã.

Durante a cerimônia na Assembleia Legislativa, em Cuiabá, Taques prometeu trabalhar para mudar a “sequiosa [árida] realidade” matogrossense. Além de antecipar que planeja desenvolver novas políticas tributárias e de fomento econômico às atividades produtivas, o novo governador destacou a importância de uma relação harmoniosa entre os poderes Executivo, Legislativo e Judiciário.

Pedro Taques assume governo do Mato Grosso com a promessa de
José Medeiros/SECOM
Pedro Taques assume governo do Mato Grosso com a promessa de "nova política de tributação"


“Todos terão que contribuir com esse momento. Vamos respeitar a independência dos poderes, convidando-os sempre para ouvirmos juntos e atentos as vozes da sociedade. Esse diálogo será um marco em nossa gestão”, discursou Taques que, durante a transição de governo, afirmou à imprensa que o estado tem um déficit orçamentário de R$ 1,7 bilhão o que compromete o pagamento de despesas e futuros investimentos.

“Esse mesmo diálogo buscaremos com o governo federal. Reivindicaremos tudo o que Mato Grosso precisa do governo federal”, acrescentou o novo governador. Taques explicou que seu plano de governo está embasado em cinco eixos estruturantes.

“O cidadão necessita de um conjunto de serviços públicos que atendam às necessidades mais fundamentais como a saúde, a segurança pública, as políticas sociais e [as políticas] de proteção aos menos favorecidos”, comentou Taques, assegurando que protegerá o meio ambiente e a qualidade de vida da população com políticas integradas de habitação, regularização fundiária e urbanística, mobilidade, acessibilidade e proteção ambiental. Todas as propostas, destacou, contarão com a participação da sociedade.

“Construiremos o modelo de gestão participativa que almejamos. Para isso, vamos ampliar nossos canais de comunicação com a sociedade usando a internet, mídias sociais, mídias de massa, audiências públicas e reuniões comunitárias. Descobriremos novos caminhos para solucionar os problemas que nos afligem e, juntos, fiscalizaremos cada centavo aplicado”, acrescentou o governador.

Nascido em Cuiabá (MT), Taques tem 46 anos. Formado em Direito, foi procurador da República por 15 anos, período em que, entre outras ações, propôs a ação civil que, em 2002, resultou na chamada Operação Arca de Noé, na qual foi preso o bicheiro João Arcanjo Ribeiro, acusado de comandar o crime organizado no estado.

Em 2010, Taques pediu exoneração do cargo no Ministério Público Federal para se candidatar ao Senado e foi eleito com 708.440 votos. Este ano, Taques, que é filiado ao PDT, se elegeu governador com um amplo arco de aliança partidária, recebendo o apoio do PP, DEM, PSDB, PSB, PPS, PV, PTB, PSDC, PSC, PRP, PSL e PRB.


    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.