Candidata petista participa de 2º evento em Minas nesta nova fase da eleição; plano é buscar também votos deixados pelo PV

De olho nos votos da ex-candidata Marina Silva e para impedir o avanço de José Serra (PSDB), a petista Dilma Rousseff desembarca hoje em Belo Horizonte, segundo maior colégio eleitoral do País, para mais um ato político com a participação do presidente Luiz Inácio Lula da Silva . No primeiro turno, o resultado da eleição em Minas foi praticamente um reflexo do cenário nacional: Dilma teve 47%, José Serra 30,8% e Marina Silva 21,2%. Para conquistar estes dois milhões de votos obtidos pela senadora verde, a campanha petista concentrará a agenda da candidata no reduto mineiro no segundo turno.

A investida petista em Belo Horizonte começou ao longo da semana. Na última quinta, o presidente do PT, José Eduardo Dutra, esteve na cidade  para mobilizar a militância e disse que o projeto de Dilma é mais próximo de Marina, que é ex-ministra do governo Lula.  "Marina tem uma história no PT. Ela atuou em várias frentes no governo Lula e foi uma das responsáveis pelas propostas de meio ambiente que nosso governo apresentou mundo afora. É natural que seu eleitor se identifique mais com a candidata do PT e é isso que iremos mostrar agora para a disputa do segundo turno", disse.

Dilma Rousseff em capela em Belo Horizonte, na semana passada, ao lado de Fernando Pimentel (d)
DIVULGACAO
Dilma Rousseff em capela em Belo Horizonte, na semana passada, ao lado de Fernando Pimentel (d)

O presidente PV em Minas Ronaldo Vasconcellos, admitiu ao iG que a legenda tem mais afinidade com os tucanos, no entanto, espera a decisão da cúpula do PV, marcada para amanhã, para colocar o bloco na rua- seja por Serra ou por Dilma. Se a posição for pela “neutralidade”, ele conversará com lideranças locais em reunião já agendada para a próxima segunda-feira para poder rever o apoio. 

“Fiz uma reunião de avaliação, um termômetro, nesta semana. O resultado foi que existem mais pessoas aqui querendo apoiar o Serra, muita gente neutra e um numero ponderado para Dilma. Mas foi reunião sem formalismo. Se decidir amanhã que é neutralidade,estaremos abertos a mudanças. Mas de jeito nenhum faremos campanha por Dilma antes do resultado”, afirmou.

Esta é a segunda visita ao Estado na nova fase da campanha. Na semana passada, Dilma foi ao Mercado Central, onde posou com lideranças religiosas na capela do local. Em seguida, foi a Ribeirão das Neves para uma carreata.

Segundo a reportagem apurou, o PT quer barrar o possível avanço do tucano sobre DIlma na região já que Serra, no segundo turno, conta com o reforço de uma tropa aliada agora eleita tanto no governo mineiro - Antonio Anastasia- como no Senado- Aécio Neves (PSDB) e Itamar Franco (PPS), que derrotaram Helio Costa (PMDB) e Fernando Pimentel (PT), respectivamente.

Na próxima sexta-feira, o PT espera reunir lideranças, empresários e prefeitos para mais uma visita de Dilma candidata ao Estado. O evento será um contraponto ao promovido pelo ex-governador Aécio Neves, que, na última quinta, reuniu 450 lideranças em apoio a Serra.

O presidente do PT mineiro, Reginaldo Lopes, no entanto, minimizou a mobilização do encontro tucano com prefeitos.  “A reunião promovida pelo Aécio é cheia de incoerências. O que fizeram foi entregar uma pauta a Serra, não foi apoio. Os prefeitos estão conosco e vão se mobilizar por Dilma”, afirmou.

Lopes contou também que ontem, o vice na chapa petista, Michel Temer (PMDB), passou pelo Estado acompanhado de Hélio Costa, candidato derrotado na eleição mineira, e Geddel Vieira Lima, que perdeu a eleição estadual na Bahia, para apelar aos peemedebistas que saiam às ruas para fazer campanha pela candidata petista.

    Faça seus comentários sobre esta matéria mais abaixo.