Em último comício com Lula, petistas fazem elogios ao presidente

Candidatos saem em defesa de Lula durante comício em São Bernardo, berço político do presidente

Matheus Pichonelli, iG São Paulo |

O último comício do presidente Lula antes das eleições, nesta quinta-feira, em São Bernardo do Campo, se transformou em ato de defesa do governo federal e de testemunho da figura do presidente como “defensor da democracia”. Sem a presidenciável Dilma Rousseff (PT), que foi ao Rio para participar de debate da TV Globo , o evento reuniu os candidatos Aloizio Mercadante (PT), que concorre ao governo do Estado, e Marta Suplicy (PT) e Netinho de Paula (PCdoB), que disputam o Senado.

Agência Estado
Lula discursa em comício com Mercadante, Netinho e Marta
No lugar de promessas, entraram em cena relatos em defesa do presidente, alvo de críticas após ter mostrado insatisfação com a cobertura das eleições por parte da imprensa. Mercadante, por exemplo, dedicou a maior parte do seu discurso para lembrar o histórico do presidente nas lutas sindicais durante o regime militar. Segundo o senador, foi Lula quem atuou para montar um palanque para que os trabalhadores tivessem possibilidade de se manifestar. Ele disse também que foi Lula quem levantou a bandeira da Constituinte e que ele reconheceu todas as derrotas que sofreu. “Porque valorizava a democracia”, afirmou.

“No auge da crise do governo Fernando Henrique Cardoso, quando queriam levantar a bandeira ‘fora FHC’, ele (Lula) veio e disse que queria ganhar nas urnas”, disse Mercadante. Ele disse também que Lula descartou a possibilidade de disputar um terceiro mandato e que não precisou comprar votos para se reeleger – numa referência ao episódio da suposta compra de votos para aprovação da emenda da reeleição. Mercadante disse também que Lula deu exemplo a governos da América Central de que o caminho para a liberdade não era pela luta armada.

Marta Suplicy também saiu em defesa do presidente. Disse que ele derrotou as elites e o preconceito de quem dizia que, caso ele fosse eleito, invadiria apartamentos de três dormitórios. Segundo a ex-prefeita de São Paulo, se Lula fosse antidemocrático estaria disputando o terceiro mandato e ganharia novamente nas urnas.

Lula, por sua vez, passou a maior parte do seu discurso exaltando números de sua gestão, como a criação de 15 milhões de empregos com carteira assinada e a entrada de 30 milhões de pessoas para a classe média. No fim, disse apostar na ida de Mercadante para o segundo turno em São Paulo e lembrou que o tucano Geraldo Alckmin, adversário do petista este ano, disputou a Presidência com ele em 2006 e teve menos votos no segundo turno do que no primeiro.

Em São Bernardo do Campo, berço do PT e onde começou a vida sindical, Lula afirmou que a maior ousadia da classe operária brasileira foi elegê-lo presidente em 2002. Ele também lembrou sua origem no movimento sindical no ABC e disse que discursaria em nome da Dilma Rousseff.

    Leia tudo sobre: eleições splulamercadantemartanetinho

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG