"Em princípio não se substitui" foto de Roriz, diz Lewandowski

Trocar foto de Roriz pela de sua esposa, Weslian, criaria fragilidade no sistema de auditoria das urnas eletrônicas

Severino Motta, iG Brasília |

O presidente do Tribunal Superior Eleitoral (TSE), Ricardo Lewandowski, disse nesta quinta-feira que, “em princípio”, não se pode substituir a foto do ex-governador Joaquim Roriz (PSC) pela de sua esposa, Weslian, que assumiu a candidatura do marido ao governo do Distrito Federal. De acordo com técnicos da Corte, a alteração poderia trazer fragilidade ao sistema de auditoria das urnas eletrônicas.

Falando ao iG , Lewandowski evitou ser mais assertivo sobre o tema pois o ministro Aldir Passarinho está com um processo relacionado ao caso. Ele vai enviar parecer ao Tribunal Regional Eleitoral (TRE).

Passarinho já recebeu um documento feito por técnicos do TSE explicando que, para a troca das fotos, seria necessário se deslacrar as urnas eletrônicas e substituir dados. Acontece que uma resolução da Corte determina que os aparelhos permaneçam lacrados por 60 dias após o primeiro turno.

De acordo com o secretário de Tecnologia da Informação do TSE, Giuseppe Janino, uma das seguranças do voto na urna eletrônica é a possibilidade de se auditar os equipamentos após o pleito.

Se algum candidato ou coligação requerer os dados, haverá o deslacramento da urna e conferência dos votos. Caso o lacre seja rompido para a inserção de uma nova foto, pode existir questionamentos sobre uma eventual auditoria.

“Seria como alterar uma peça numa cena de crime”, explicou Janino, dizendo que mesmo sem haver prejuízo nessa alteração, toda a credibilidade das provas retiradas do local ficam comprometidas.

O ministro Aldir Passarinho deve apresentar seu parecer sobre a substituição da foto na próxima semana e, sendo aprovado pelo plenário, o material vai ser enviado ao TSE.

    Leia tudo sobre: eleiçõeseleições dfrorizweslianfotourna

    Notícias Relacionadas


      Mais destaques

      Destaques da home iG